Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Agreste recebe obras hídricas para reduzir os efeitos da estiagem prolongada

Adutora do Pirangi vai atender Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibairbe

Avatar

Publicado

Para minimizar os efeitos do sexto ano consecutivo de seca no agreste pernambucano, o governo do Estado, por meio da Companhia Pernambucana de Saneamento – Compesa – está executando  várias obras hídricas na região. O balanço foi feito na manhã  de  hoje (20), em Caruaru, pelo diretor Regional do Interior, Marconi de Azevedo, durante entrevista coletiva. Uma das ações destacadas pela Compesa é a obra para transposição de água do Rio Pirangi, em Catende, na Mata Sul, que irá regularizar a vazão da Barragem do Prata, situada em Bonito, em 500 litros de água por segundo, permitindo que a barragem tenha água durante todo o ano e não apenas no inverno. A expectativa da Compesa é finalizar a obra em janeiro de 2017 e irá beneficiar mais de 500 mil pessoas nas cidades de Caruaru, Santa Cruz do Capibaribe e Toritama.

Orçada em R$ 60 milhões, a Adutora do Pirangi tem recursos garantidos, mediante  um convênio com o Banco Mundial. Segundo Marconi de Azevedo, esta obra será muito importante  para essas cidades do agreste, que enfrentam a pior seca dos últimos 50 anos. “Vamos trazer água da Mata Sul para que possa se conectar  e garantir a segurança do Sistema do Prata e, assim, possibilitar a redução do rodízio em Caruaru e aliviar a situação de Toritama e Santa Cruz do Capibaribe”, pontuou Azevedo.

O Sistema Pirangi terá uma adutora de quase 27 quilômetros de extensão e duas estações elevatórias (sistemas de bombeamentos) para a exploração de vazões de até 500 litros por segundo. A água irá para a Estação Elevatória do Prata. A chegada dessa água vai “poupar” a exploração da Barragem do Prata, uma vez que será preciso retirar menos água do reservatório. “Também há a possibilidade de, futuramente, integrar esse sistema ao de Jucazinho, atualmente em pré-colapso, contemplando as cidades hoje atendidas por ele”, explica o diretor da Compesa.

O gestor da Compesa também informou sobre as outras obras em execução para atendimento  a região do Agreste, que detém o pior balanço hídrico do  Brasil. Para  contemplar a  cidade de Surubim, que tem  uma única fonte de abastecimento, que é a Barragem de Jucazinho, que  entrará em colapso em outubro, por falta de chuvas. A previsão é de concluir a obra da adutora de Palmerinha, que sairá da cidade de Bom Jardim para Surubim, em até 60 dias. O investimento  é de R$ 2,6 milhões.

Outra obra irá atender as cidades de Belo Jardim, Sanharó e Tacaimbó, que hoje estão em colapso por meio da Adutora do Moxotó, que transportará água de Rio da Barra, em Sertânia para essas cidades. A previsão para o sistema entrar em operação é janeiro do próximo ano, um investimento de R$ 80 milhões.

Ainda no Agreste, o governo está finalizando outra obra, uma adutora de 3 km que transportará água da Barragem de Pau Ferro, em Quipapá, para atendimento das cidades de Lajedo e são Bento do Uma. Estão sendo aplicados recursos da ordem de R$ 3 milhões e a previsão é de que a água chegue às cidades, que estão em colapso, em agosto deste ano.

Ao reconhecer a grave crise hídrica que o agreste pernambucano enfrenta o diretor da Compesa, Marconi de Azevedo, afirmou que o governo e a companhia não estão medindo esforços para correr com essas obras tão importantes  para  amenizar os efeitos da seca. “Nunca vivenciamos uma crise hídrica tão grave como essa, mas estamos trabalhando arduamente para  reverter esse quadro, realizando obras que visam à regularização da distribuição de água nas cidades atingidas pela estiagem prolongada”, finalizou Azevedo. 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Pernambuco registra 1.685 novos casos e 22 óbitos por Covid-19 nas últimas 24h

Redação PortalPE10

Publicado

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) registrou, nesta quinta-feira (4), 1.685 casos da Covid-19. Entre os confirmados, 82 (5%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 1.603 (95%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 304.732 casos confirmados da doença, sendo 32.722 graves e 272.010 leves.

Também foram confirmados 22 óbitos, ocorridos entre 5 de janeiro deste ano e  essa quarta-feira (3). Com isso, o Estado totaliza 11.090 mortes pela Covid-19. Os detalhes epidemiológicos serão repassados ao longo do dia pela Secretaria Estadual de Saúde.

 

Continuar Lendo

Cotidiano

Com mais 1.358 confirmações e 24 óbitos, Pernambuco soma 288.424 casos e 10.804 mortes por Covid-19

Redação PortalPE10

Publicado

UTI para a COVID-19 do hospital Gilberto Novaes, em Manaus - AFP/Arquivos

UTI para a COVID-19 do hospital Gilberto Novaes, em Manaus – AFP/Arquivos

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) registrou, nesta sexta-feira (19/02), 1.358 casos da Covid-19. Entre os confirmados hoje, 50 (3,7%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 1.308 (96,3%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 288.424 casos confirmados da doença, sendo 32.010 graves e 256.414 leves, que estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Além disso, o boletim registra um total de 248.691 pacientes recuperados da doença. Destes, 19.476 eram pacientes graves, que necessitaram de internamento hospitalar, e 229.215 eram casos leves.

Também foram confirmados laboratorialmente 24 novos óbitos (13 masculinos e 11 femininos), ocorridos entre os dias 09/08/2020 e 18/02/2021. As novas mortes são de pessoas residentes dos municípios de Buíque (2), Cabrobó (1), Camaragibe (1), Caruaru (2), Goiana (1), Gravatá (1), Jaboatão dos Guararapes (2), Limoeiro (1), Olinda (3), Palmares (1), Petrolina (1), Recife (6), São José do Belmonte (1) e Vitória de Santo Antão (1). Com isso, o Estado totaliza 10.804 mortes pela doença.

Os pacientes tinham idades entre 30 e 96 anos. As faixas etárias são: 30 a 39 (1), 40 a 49 (2), 50 a 59 (2), 60 a 69 (6), 70 a 79 (6) e 80 ou mais (7). Do total, 18 tinham doenças pré-existentes: doença cardiovascular (12), diabetes (7), hipertensão (6), obesidade (2), doença de Alzheimer (1) e câncer (1) – um paciente pode ter mais de uma comorbidade. Os demais estão em investigação.

Com relação à testagem dos profissionais de saúde com sintomas de gripe, em Pernambuco, até agora, 26.280 casos foram confirmados e 46.230 descartados. As testagens entre os trabalhadores do setor abrangem os profissionais de todas as unidades de saúde, sejam da rede pública (estadual e municipal) ou privada. O Governo de Pernambuco foi o primeiro do país a criar um protocolo para testar e afastar os profissionais da área da saúde com sintomas gripais.

Continuar Lendo

Cotidiano

Em Pernambuco, Bolsonaro dá início aos testes do Ramal do Agreste

PortalPE10 com informações UOL

Publicado


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) esteve em Sertânia, no Sertão do Moxotó, interior de Pernambuco, para participar dos primeiros testes do Ramal do Agreste, obra de infraestrutura hídrica, pretende levar abastecimento de água para cerca de 2,3 milhões de pessoas.

Ao lado do ministros Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria do Governo), Gilson MAchado (Turismo) e do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e de apoiadores, o presidente fe o acionamento das comportas do Ramal do Agreste, o primeiro passo para a integração hídrica que levará água a partir do Eixo Leste, beneficiando 68 municípios pernambucanos.

Após saírem do reservatório de Barro Branco, as águas passam por oito canais, três sifões e três túneis, que somam 37,4 quilômetros, até chegar ao reservatório Negros, que tem capacidade de armazenar 14,7 milhões de metros cúbicos de água. Toda essa estrutura integra o Marco 1 da obra, que ainda é composto por mais dois trechos.

O empreendimento tem 70,8 quilômetros de extensão e capacidade de vazão de 8 mil litros de água por segundo. Quando finalizado, o Ramal do Agreste levará as águas do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco para a região de maior escassez hídrica de Pernambuco.A obra do Ramal do Agreste, que completou 84,15% de execução, está prevista para junho de 2021.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.