Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Brasil na cabeça e nas mãos: Senna elevou a autoestima de uma nação

Senna soube retribuir a admiração de seus compatriotas e, de forma espontânea

Avatar

Publicado

Ayrton Senna GP do Brasil de 1993 (Foto: Norio Koike/ASE)Nesta quinta-feira, o Brasil lembra os 20 anos do adeus de um dos maiores ídolos de sua história. Em 1º de maio de 1994, durante o fatídico GP de San Marino, no circuito italiano de Ímola, Ayrton Sennase despediu de forma prematura de seus milhões de fãs e compatriotas ao bater contra o muro da curva Tamburello. Duas décadas depois, o legado do tricampeão mundial permanece forte na memória dos brasileiros.

Em 1984, Ayrton surpreendeu o mundo ao ignorar as limitações de sua Toleman e conquistar um inesperado segundo lugar no GP de Mônaco. Àquela época, os brasileiros já se entusiasmavam com os feitos de seus compatriotas na Fórmula 1, como o bicampeonato de Emerson Fittipaldi, em 1972 e 1974, e os dois primeiros títulos de Nelson Piquet, em 1981 e 1983. As façanhas de Senna, no entanto, intensificaram a adesão popular ao esporte e contribuíram para aumentar a empolgação com as corridas da principal categoria do automobilismo, então uma das poucas fontes de alegria para um país que ainda lutava para sair da sombra da ditadura militar.  

Diante de um contexto de incertezas políticas e instabilidade econômica, as vitórias que Senna começou a acumular a partir de 1985 o transformaram em uma espécie de “válvula de escape” para o povo brasileiro. O cenário esportivo, principalmente em relação ao futebol, também passava por uma fase de poucas glórias. Os feitos do jovem piloto paulista serviram, então, de compensação para aliviar o longo jejum de títulos da Seleção, que não ganhava uma Copa do Mundo desde o histórico tricampeonato no México, em 1970. O carisma singular de Ayrton foi o ingrediente definitivo para transformá-lo no grande herói nacional daquele período.

– Em termos esportivos, o futebol ainda era o esporte nacional, uma vez que na época tínhamos poucas ações efetivas de consolidação de um desenvolvimento poliesportivo. A Fórmula 1, por sua vez, ganhou amplo destaque a partir da figura carismática de Ayrton Senna. Fittipaldi pode ter tido sua brilhante trajetória de bicampeão ou Piquet pode ter sido igualmente tricampeão mundial se comparado a Senna; porém, nenhum deles mobilizou tantos afetos quando esse último. Senna era um mobilizador de afetos por onde passava e se construía dessa forma como pessoa e como piloto – opina Wagner Xavier de Camargo, antropólogo do Esporte e atual Pesquisador Júnior da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo).

Brasil na cabeça e nas mãos  

Senna soube retribuir a admiração de seus compatriotas e, de forma espontânea, incorporou demonstrações de amor pelo país durante suas apresentações nas pistas de todo o mundo. Além do icônico capacete pintado nas cores verde e amarela, o piloto eternizou o ato de erguer a bandeira do Brasil. E o gesto que acabou cativando a torcida brasileira foi originado de uma mera provocação futebolística. A Seleção havia sido eliminada nas quartas de final da Copa do México, em 1986, com a derrota nos pênaltis para a França. No dia seguinte, Ayrton desbancou os franceses Jacques Laffite e Alain Prost e triunfou no GP de Detroit. Depois de sofrer com piadinhas dos integrantes franceses da Lotus, sua equipe na época, ele chegou próximo ao alambrado, pediu a bandeira que um torcedor portava e tremulou o pano para mostrar o orgulho de ser brasileiro.

A partir de então, cada vitória de Senna se tornou uma espécie de exaltação da identidade nacional, contribuindo para elevar a autoestima de uma população que recebia pouco destaque no exterior. A trajetória repleta de desafios e superações do piloto passou também a refletir as batalhas sociais e políticas que estavam sendo travadas dentro do país, palco de uma grande mobilização pela consolidação das instituições democráticas. Ayrton começou a carreira como um jovem franzino e de aparência delicada. Obstinado, dedicou-se a um rigoroso programa de evolução física e mental, até se tornar o adversário mais competitivo do grid. Justamente o exemplo que o Brasil precisava para reafirmar o valor de seu povo. 

– A história de ascensão de um jovem e talentoso piloto culminou com um período de transformações sociais e políticas também de seu jovem e grandioso país. A história de vida de Senna era cheia de percalços, assim como era cheia de obstáculos a história do Brasil naquele momento. Senna estava para o Brasil assim como o Brasil estava para Senna, numa reciprocidade absolutamente consonante. Ser um atleta brasileiro competente e genial no cenário internacional, num momento em que o país era apenas conhecido pelo exotismo (futebol, floresta amazônica, carnaval e mulatas), tornava-se algo diferencial e colocava, evidentemente, a nação e sociedade brasileiras em destaque – argumenta Wagner Xavier de Camargo.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Profissionais do Hospital Regional de Palmares recebem primeira dose da vacina contra Covid-19

Unidade de Saúde é a maior da região e recebe pessoas de todo o estado.

Redação PortalPE10

Publicado

Os profissionais de saúde que trabalham na linha de frente de combate à covid-19 no Hospital Regional de Palmares (HRP) começaram a receber na tarde desta quinta-feira (21) as primeiras doses da Coronavac, vacina com uso emergencial aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a primeira a receber a dose do imunizante foi a enfermeira Elidiane Luiza, que falou sobre o sentimento de estar vivenciando esse momento.(veja o vídeo acima)

Nesta etapa que envolve a primeira dose da Coronavac, profissionais de saúde como médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes operacionais, entre outros, receberam a vacina.

(Foto: Reprodução/PortalPE10)

André Akel diretor médico do Hospital Regional de Palmares foi o responsável por aplicar as primeiras doses da vacina, ele falou do sentimento de gratidão e destacou também quais os profissionais que iram tomar a vacina nesse primeiro momento. Ele também destacou o trabalho do Hospital Regional frente ao combate ao novo coronavírus

Ao todo serão 90 profissionais da unidade que vão receber a primeira e segunda dose da vacina.

Continuar Lendo

Cotidiano

Catende inicia vacinação contra Covid-19 em profissionais da saúde e idosos

Primeira pessoa a ser imunizada foi uma técnica de enfermagem de 59 anos que trabalha na área há 29 anos. Cidade recebeu 504 doses da vacina.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Divulgação)

A Prefeitura de Catende, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, começou a vacinação contra a Covid-19 nesta quinta-feira (21). A cidade foi uma das últimas da região a fazer a imunização contra o novo coronavírus.

A primeira pessoa a ser imunizada foi uma técnica de enfermagem de 59 anos que trabalha na área há 29 anos Zuleide Soares da Silva recebeu a primeira dose da Coronavac. A técnica de enfermagem Fabiane Maria Monteiro de Carvalho, 41 anos, também recebeu a primeira dose da vacina e a primeira moradora do abrigo Santo Antônio a ser vacinada foi Dona Rita de 104 anos.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), o município de Catende recebeu cerca de 504 doses da vacina, ao qual serão imunizados os profissionais da saúde, que atuam no Hospital Municipal e os idosos institucionalizados do abrigo Santo Antônio.

Ate esta quinta-feira (21) de acordo com o Boletim Epidemiológico divulgado pela Prefeitura de Catende, a cidade tem 659 casos confirmados, desses 616 não apresentam mais sintomas da doença e são considerados recuperados do vírus e o total de óbitos em decorrência de complicações causadas pelo novo coronavírus é de 41.

Continuar Lendo

Cotidiano

Corpo de homem é enterrado por outra família após ser trocado em hospital de Garanhuns

Caso aconteceu entre duas famílias de Saloá e Angelim.

PortalPE10 com informações G1

Publicado

(Foto: Reprodução)

Os corpos de dois homens foram trocados no Hospital Dom Moura, em Garanhuns, no Agreste de Pernambuco, nesta quinta-feira (21). O caso aconteceu entre duas famílias de Saloá e Angelim.

Segundo a família de Gilberto Antônio da Silva, de 59 anos, ele estava com sintomas gripais desde o início de janeiro, e estava internado em um hospital de Saloá, onde morava. No último sábado (16), ele foi transferido para o Hospital Dom Moura, em Garanhuns, e morreu nesta unidade de saúde. Ainda de acordo com os parentes, a família não foi autorizada a reconhecer o corpo porque os sintomas eram de Covid-19. Quando a funerária foi ao hospital, os funcionários informaram que não encontraram o corpo de Gilberto. Só depois foram avisados de que ele teria sido entregue para outra família e já tinha sido enterrado em Angelim.

Na cidade de Angelim, a família de José Sátiro, de 76 anos, também não reconheceu o corpo, pois ele estava com sintomas do novo coronavírus. Ele foi internado em um hospital de Garanhuns. A filha do idoso disse que desconfiou de que o corpo não era o do pai pelo peso do caixão, mas deu continuidade ao sepultamento. Depois da cerimônia, os parentes receberam a notícia de que o corpo estava ainda no necrotério.

O corpo de Gilberto Antônio será exumado após uma autorização da justiça. Já José Sátiro só será enterrado após o jazido ser desocupado. Um boletim de ocorrência será registrado na Delegacia de Polícia Civil de Garanhuns.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.