Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Comportamento:Oito erros comuns de quem acaba de ficar solteiro,confira

Vale tudo para superar o fim de um relacionamento? Nem sempre.

Avatar

Publicado

É natural cair em algumas armadilhas para suprir a carência e dar um consolo à tristeza. O efeito consolador, porém, é apenas momentâneo. “Se substituirmos o que nos falta pela primeira coisa que encontrarmos, podemos fadar a nova situação ao fracasso. Respeitando o luto, aprendemos a pensar, rever as situações e aceitar o fim”, explica a psicanalista Patrícia Arantes.

O estudante de comunicação Willian Ferreira precisou passar por diversas situações desse tipo até se adaptar à nova realidade de solteiro, depois de quase três anos e meio de relacionamento. “Comecei a beber muito e sair todos os finais de semana, algo com o que não estava acostumado antes, já que eu e minha ex-namorada saíamos muito pouco”, lembra ele.

Ficar com outras pessoas, em qualquer situação, também foi uma das experiências pelas quais Willian passou. “Eu me sentia tão mal, com a autoestima tão baixa, que sempre queria alguém por perto. Era um jeito de tentar provar um monte de coisa pra mim mesmo: que eu podia me virar bem sem a minha ex, que eu podia ser minimamente atraente para outras pessoas”, conta.

Envolver-se com outra pessoa após o fim do relacionamento nem sempre é considerado um erro pelos especialistas, já que depende muito da intenção de quem resolve começar um novo amor. “Não é um erro, desde que a cautela e certeza estejam presentes e que a carência e o medo de estar sozinho estejam afastados. Errado é fazer uma transferência, ou seja, procurar alguém com as mesmas características físicas ou qualquer outra semelhança com o antigo parceiro”, pontua Alexandre Bez, psicólogo especializado em relacionamentos.

Confira a seguir alguns erros comuns de quem precisa enfrentar a vida de solteiro novamente e saiba como evitá-los.

1. Culpar apenas um dos lados: todo mundo tem a sua parcela de culpa quando um relacionamento acaba. “A maioria das pessoas gosta de assumir a posição de vítima, colocando toda a responsabilidade pelo término no outro. Fazer uma autoavaliação é fundamental para lidar melhor com a situação”, diz Paula Carvalho.

2. Tentar mudar de personalidade: não existe amor sem admiração. Sendo assim, muitas pessoas chegam ao extremo de mudar de estilo de vida só para reconquistar o parceiro. Essa atitude acaba piorando o sentimento de carência e necessidade de aprovação do outro. Vale mais a pena buscar a própria individualidade do que tentar impressionar alguém do passado.

3. Não respeitar o período de luto: do mesmo jeito que leva algum tempo para construir uma relação sólida, é preciso ter paciência para se “desligar” de uma pessoa. Esse período de quietude e solidão é útil para o autoconhecimento e avaliação dos erros – e também acertos – cometidos até então. “A possibilidade de ter um melhor relacionamento aumenta quando passamos por essa experiência de solitude”, completa Alexandre Bez.

4. Engatar um relacionamento atrás do outro: ao contrário daquele clássico verso de Tom Jobim, é possível – e fundamental – ser feliz sozinho, por isso a importância de ter sempre um pé atrás antes de sair se comprometendo. “Aproveite a solidão para passear com os amigos, ir a lugares que você gostava, mas parou de frequentar durante o antigo relacionamento. É gostando de si mesmo e sendo seu melhor amigo que você encontrará uma pessoa na mesma sintonia”, afirma Patrícia Arantes.

Faça o teste: qual seu estilo de conquista?

5. Não aceitar o término: tentar se enganar e achar que o relacionamento ainda não acabou é outro erro que prolonga o sofrimento, já que os dias se transformam em uma espera sem fim pela volta do parceiro. “Depois da fase de negação, a pessoa tenta reestabelecer o contato de algum jeito, para reatar algo que não tem mais solução”, observa Paula Carvalho. Segundo a especialista, o melhor a se fazer é aceitar o ponto final e seguir em frente, sem apego.

6. Assombrar a vida do ex: depois do término, é importante estabelecer alguns limites e não forçar a barra na reaproximação. Querer manter contato com a família do ex, mandar mensagens, telefonar eficar de olho nas redes sociais para saber como está a vida dele é querer machucar a si próprio. “Atitudes como estas geram tristeza e sentimentos negativos, além de aumentar a fantasia de que o outro está melhor do que você”, explica Patrícia Arantes.

7. Abandonar objetivos: querer desistir de tudo nunca é uma saída saudável para superar o fim do relacionamento. Muitas planos individuais acabam ficando para trás, portanto, esse é o momento para retomá-los e traçar novas metas. Pode ser uma viagem, um novo curso, um novo hobby… O importante é seguir em frente.

 

8. Se desesperar com a solidão: a vida não se resume a encontrar a sua “metade da laranja” e, após o término, é possível perceber isso com mais clareza. A solidão, ao contrário do que muita gente acredita, é fundamental para que saibamos nos relacionar com outra pessoa, sem dependência ou apego. Vale se cercar de amigos e familiares para curtir a solteirice com mais amor e só pensar em se envolver de novo quando for realmente a hora certa.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Brasil está entre os 20 países que mais vacinaram contra a Covid

País já vacinou mais de 700 mil pessoas.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Aluísio Moreira/SEI)

Apesar da pandemia de Covid-19 forte, o Brasil segue avançando no combate à doença. E até esta terça-feira (26), o país já vacinou mais de 800 mil pessoas contra a doença, o que coloca o Brasil entre os 20 países do mundo que mais imunizaram sua população.

De acordo com dados divulgados pela Universidade de Oxford, o Brasil se encontra em 16º lugar na lista.

Até o momento, o Brasil já vacinou cerca de 0,33% da população. A vacinação no país começou no dia 18.

*Com informações Pleno.News

Continuar Lendo

Brasil

São Paulo confirma três casos de variante da Covid vinda do Amazonas

Nova cepa do vírus surgiu em Manaus em dezembro e vem se disseminando rapidamente pela capital amazonense.

Redação PortalPE10

Publicado

Com 48 horas de infecção, células começam a apresentar prolongamento que pode contribuir com o avanço da Covid; em azul, as partículas virais — Foto: LMMV/IOC/Fiocruz, LVRS/IOC/Fiocruz e Nulam/Inmetro

A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo confirmou, na terça-feira (26), três casos importados de Covid-19 no Estado causados pela nova variante brasileira do coronavírus, identificada pela primeira vez no Amazonas e que vem sendo apontada como uma das razões para a explosão de casos da doença em Manaus.

Esses são os primeiros registros da nova variante fora do Amazonas. De acordo com a secretaria, a confirmação foi feita por meio de sequenciamento genético feito no Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, que é referência nacional e vinculado à pasta estadual.

– O vírus foi sequenciado a partir de amostras com resultados positivos de exames processados pelo Centro de Virologia de três pessoas que tiveram Covid-19 e passaram por atendimento em serviços da rede pública de saúde em São Paulo, com histórico de viagem ou residência em Manaus – disse a pasta, em nota.

Segundo estudos feitos por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e Fiocruz Amazonas, a cepa teria surgido em Manaus em dezembro e vem se disseminando com rapidez na capital amazonense. A variante, chamada de P.1, tem mutações importantes na proteína spike, responsável por permitir a entrada do patógeno nas células humanas.

A P.1 é derivada de uma das variantes predominantes no país, a B 1.1.28. É provável que ela tenha maior poder de transmissão por causa da mutação N501Y, presente também nas variantes identificadas no Reino Unido e na África do Sul.

– Essas mutações poderiam estar associadas a um maior potencial de transmissão, apesar de ainda não haver comprovação científica de que esta variante seja mais virulenta ou transmissível em comparação a outras previamente identificadas – informou a secretaria.

Outra mutação que causa preocupação é a E484K, já associada em estudos a um potencial de escapar de anticorpos, o que pode favorecer reinfecções e até afetar a eficácia de vacinas. Novas pesquisas estão sendo feitas para determinar se a variante brasileira e as demais são mais contagiosas, letais ou se afetariam o desempenho dos imunizantes.

Os sequenciamentos realizados pelo Lutz foram depositados no banco de dados online e mundial Gisaid (Iniciativa Global de Compartilhamento de Todos os Dados sobre Influenza). De acordo com a secretaria, eles têm alta qualidade e confiabilidade, correspondendo a 99,9% do genoma do vírus.

*Com informações Estadão.

Continuar Lendo

Brasil

TCU ‘manda’ Pazuello explicar distribuição de cloroquina

Para o ministro Benjamin Zymler, do órgão, medicamento só poderia ser fornecido pelo SUS com autorização da Anvisa.

Redação PortalPE10

Publicado

Eduardo Pazuello – (Foto: Fabio Rodrigues Pozzembom/Agência Brasil)

O Ministério da Saúde tem cinco dias para prestar informações ao Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o uso de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) na distribuição de cloroquina e hidroxicloroquina para tratar pacientes diagnosticados com o novo coronavírus.

A ordem partiu do ministro Benjamin Zymler na última sexta-feira (22), depois que uma auditoria feita pela área técnica do tribunal apontou uma ilegalidade no custeio dos remédios para uso contra a Covid-19.

No despacho, o ministro do TCU afirma que os remédios só poderiam ter sido fornecidos pelo SUS para tratar a doença se houvesse autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou de autoridades sanitárias estrangeiras.

A prescrição dos fármacos contra a Covid-19 é rejeitada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI).

“Verifica-se não haver amparo legal para a utilização de recursos do SUS para o fornecimento desses medicamentos com essa finalidade”, aponta um trecho do ofício.

Na avaliação do ministro, os esclarecimentos devem ser prestados após uma “mudança do discurso” de Pazuello. O general afirmou que a pasta nunca orientou o ‘tratamento precoce’ e sim o ‘atendimento precoce’ dos pacientes.

– Nunca indiquei medicamentos a ninguém. Nunca autorizei o Ministério da Saúde a fazer protocolos indicando medicamentos – disse no último dia 18.

Segundo observou Zymler, a posição é ‘contraditória’ em relação a orientações e documentos emitidos pelo próprio Ministério da Saúde.

O ministro do TCU também pediu explicações sobre o aplicativo TrateCOV, lançado pelo governo federal para agilizar o diagnóstico da Covid-19. O tribunal quer a indicação dos responsáveis pela plataforma, a descrição do funcionamento, a ‘base médico-científica’ para uso e se está prevista sua reativação.

O aplicativo, que recomendava antibióticos, cloroquina e ivermectina até para bebês, foi tirado do ar na quinta-feira (21). Um dia depois, o Ministério Público Federal (MPF) abriu uma frente de apuração sobre o sistema.

*Com informações Estadão

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.