Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Coronavírus é transmitido com muita facilidade na fase inicial da doença, afirma estudo

Os cientistas conseguiram monitorar regularmente a presença de material genético do vírus, de vírus inteiros e de anticorpos produzidos pelo organismo dos pacientes para tentar neutralizar o invasor.

Avatar

Publicado

Um estudo detalhado de nove pacientes alemães com Covid-19 indica que o novo coronavírus é transmitido com muita facilidade na fase inicial da doença, quando os sintomas são leves e às vezes nem incluem febre. A análise, que acaba de ser publicada no site da revista científica Nature, reforça a importância de barrar o contato entre pessoas com quaisquer sintomas e a população em geral para retardar o avanço da doença.

O estudo foi coordenado por Christian Drosten, do Charité Universitätsmedizin Berlin, um dos mais importantes hospitais universitários da Europa. Drosten e seus colegas acompanharam os pacientes a partir do fim de janeiro de 2020, quando a primeira onda de casos da Covid-19 foi detectada em Munique. Todos os doentes foram acompanhados no mesmo hospital da cidade, capital do estado da Baviera (sul da Alemanha).

De modo geral, o grupo de pacientes teve manifestações brandas da doença, com sintomas como febre, tosse, dor de cabeça e, mais raramente, sinusite e diarreia. Um deles não manifestou sintoma algum, enquanto dois chegaram a ficar com pneumonia.

Os cientistas conseguiram monitorar regularmente a presença de material genético do vírus, de vírus inteiros e de anticorpos produzidos pelo organismo dos pacientes para tentar neutralizar o invasor. Extraíram amostras do nariz e da garganta (por meio de esfregaços com algodão), do sangue, da urina e das fezes dos doentes.

O resultado principal dessa bateria de análises foi a constatação de que há um pico de produção do vírus no organismo nos primeiros cinco dias de sintomas, com uma concentração do parasita nas vias respiratórias superiores (nariz, garganta etc.). Também havia grande quantidade do vírus em amostras de escarro, o que significa que ele também é capaz de “descer” rumo aos pulmões, conforme indicado pelos casos de pneumonia desencadeados pelo Sars-CoV-2, causador da doença.

Foi possível calcular até a quantidade bruta dos vírus em cada amostra. Um único esfregaço continha, em média, 676 mil cópias do material genético do vírus (composto por RNA, a molécula “prima” do DNA) durante os cinco dias iniciais de manifestação dos sintomas. Nos dias seguintes da doença, esse número caiu para 344 mil cópias do RNA viral. A presença de vírus capazes de infectar outras pessoas só decaiu após o oitavo dia de sintomas.

A análise genética também foi capaz de detectar mutações no vírus quase em tempo real. Em determinado dia, por exemplo, os vírus obtidos a partir de esfregaços da garganta e do escarro de um paciente tinham o mesmo genoma; dias depois, os vírus presentes no escarro mantinham o material genético antigo, enquanto os da garganta já tinham sofrido mutação de uma “letra” química de RNA, o que reforça a ideia de que o vírus estava se multiplicando intensamente nas vias respiratórias superiores (afinal, é nesse processo de multiplicação que as alterações genéticas acabam aparecendo).

Uma possível boa notícia oriunda das análises é que o grupo não conseguiu detectar o Sars-CoV-2 no sangue e na urina dos pacientes alemães, e as fezes, embora contivessem grandes quantidades de material genético viral, não abrigavam a forma do vírus com capacidade de replicação (reprodução). Dos nove pacientes, quatro também tiveram perda temporária do olfato e do paladar, outro efeito relativamente comum da Covid-19, conforme têm mostrado outros relatos.

Além de reforçar a importância do confinamento, os dados trazem indicações importantes para o trabalho dos hospitais e para o desenvolvimento de vacinas. Numa situação em que os sistemas de saúde do mundo ameaçam colapsar, a análise dos pacientes alemães sugere que, no décimo dia após o início dos sintomas, quase não há mais potencial para a transmissão do vírus, o que permitiria a liberação desses pacientes com relativa segurança (desde que não sofram complicações).

Além disso, foi possível acompanhar passo a passo a formação de anticorpos contra o vírus. Metade dos pacientes tinham desenvolvido boa quantidade de anticorpos no sétimo dia após o início da doença, e todos tinham chegado a esse estágio 14 dias após as primeiras febres e episódios de tosse. Não houve correlação clara, entretanto, entre a quantidade de anticorpos e a duração da doença. Em vez disso, os anticorpos levaram a uma diminuição lenta e constante do vírus no organismo.

Portanto, dizem os pesquisadores, seria interessante que uma futura vacina desencadeasse uma produção forte de anticorpos logo de cara para ter eficácia.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Apac renova alerta de chuvas moderadas a fortes em Pernambuco

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução)

A Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) renovou neste domingo (11), o alerta para a possibilidade de chuvas moderadas a fortes na Região Metropolitana do Recife, Agreste, Zona da Mata Sul e Zona da Mata Norte de Pernambuco. A previsão é válida até as 17h01 desta segunda-feira (12). As informações são do Diário de Pernambuco.

A Defesa Civil do Recife também informou que mantém um plantão permanente, podendo ser acionada pelo telefone 0800.081.3400. A ligação é gratuita e o atendimento 24h. A orientação é que, em caso de necessidade, moradores de locais de risco procurem abrigos seguros e acionem o órgão.

Continuar Lendo

Brasil

Filho recebe notícia da morte do pai ao voltar do enterro da mãe

Irmã e cunhado estão na UTI, também com Covid-19.

Redação PortalPE10

Publicado

Manoel e Noemi falecerem em um intervalo de 24 horas no início desta semana.(Foto: Arquivo Pessoal)

Everton de Souza Patrício, de 35 anos, perdeu o pai e a mãe em 24 horas por complicações da Covid-19 em Criciúma, Santa Catarina. Uma das irmãs de Everton, de 49 anos, e o cunhado estão em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) também por causa da Covid. As informações são do NE10 Interior.

A mãe, Noemi Terezinha Patrício, de 71 anos, morreu na segunda-feira (5) às 13h45 e o pai, Manoel Valdemir Patrício, de 75 anos, faleceu na terça-feira (6). O casal estava casado há 52 anos, eles foram enterrados lado a lado no Cemitério Municipal de Criciúma. Segundo Everton, o pai não ficou sabendo do falecimento da mulher.

“Enterramos ela no dia 6, e quando eu cheguei em casa para descansar um pouco, o telefone tocou informando que meu pai tinha falecido também. É uma tragédia, é muita dor”, afirma o filho. “Nenhum dos dois ficou sabendo que o outro morreu, nenhum deles sofreu com essa notícia. Deus levou os dois juntos para um não sofrer sem o outro”, completou.

O filho contou que o pai foi o primeiro a apresentar os sintomas. A família chegou a tentar tirar a mãe da residência, para evitar que ela fosse infectada, mas ela dizia que não deixaria o esposo sozinho com a Covid-19.

Manoel e Noemi ficaram cerca de 15 dias internados com o novo coronavírus. Apesar de terem se recuperado, tiveram de enfrentar sequelas graves relacionadas à doença e precisaram, novamente, ser hospitalizados.

Continuar Lendo

Cotidiano

Família quebra porta de hospital e arrasta maca com corpo de morto por Covid-19 até cemitério

Familiares não concordaram com os protocolos de sepultamento para evitar contaminação pelo coronavírus.

Redação PortalPE10

Publicado

Família arrastou a maca com cadáver até o cemitério. (Reprodução)

Uma família quebrou as portas de um hospital, retirou o corpo de um parente morto por Covid-19 e arrastou a maca com o cadáver pelas ruas até o cemitério. O caso aconteceu na última quinta-feira (8), no município de Fundación, em Magdalena, na Colômbia. As informações são do NE10 Interior.

Segundo o site colombiano de notícias RCN, os familiares de Ramón Eliecer Quintero, de 59 anos, não concordaram com o diagnóstico médico e com os protocolos de sepultamento – que são restritos devido ao risco de contaminação pelo novo coronavírus. Eles decidiram levar o corpo do falecido embora, sem a permissão do hospital.

O corpo foi levado de maca por familiares ao longo de sete quarteirões até o cemitério, conforme mostram as imagens que repercutem nas redes sociais.

“Peço desculpas ao município, não somos vândalos, mas como pobres temos que agir assim para que eles nos escutem”, disse Rosa Katherine Quintero, a filha mais velha, ao jornal “El Heraldo”. Em nota, o Hospital San Rafael repudiou o episódio.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10. Todos os direitos reservados.