Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Derrame: ameaça à saúde feminina

A Associação Americana do Coração criou uma cartilha direcionada para a prevenção da enfermidade em mulheres

Avatar

Publicado

A medicina dá cada vez mais atenção às particularidades das doenças cardiovasculares entre mulheres. Em 2007, a Associação Americana do Coração formulou as primeiras diretrizes específicas para prevenir essas enfermidades no sexo feminino — até então, as recomendações eram as mesmas para os dois gêneros. No último mês, um estudo da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos, foi pioneiro ao identificar diferenças nos mecanismos que causam elevação da pressão sanguínea entre os sexos e sugerir que as mulheres recebam um tratamento mais enfático e precoce. 

Na última quinta-feira, a Associação Americana do Coração deu mais uma contribuição à saúde cardiovascular feminina ao lançar uma cartilha inédita com instruções para diminuir o risco de acidente vascular cerebral (AVC) em mulheres. Até então, documentos relacionados à doença não diziam, por exemplo, que pressão alta durante a gravidez pode levar a complicações capazes de dobrar o risco de AVC ao longo da vida ou que a enxaqueca, mais comum no sexo feminino, também predispõe ao problema. 

“Essas diretrizes chamam a atenção para uma causa de morte importante entre o sexo feminino. Fala-se muito em câncer de mama, por exemplo, mas é preciso lembrar que doenças cardiovasculares representam um sério risco para as mulheres”, diz Luiz Bortolotto, diretor da Unidade Clínica de Hipertensão do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP (Incor).

O AVC é a obstrução ou ruptura das artérias que irrigam o cérebro. Pessoas mais vulneráveis a sofrer um derrame são aquelas que têm histórico de hipertensão, insuficiência cardíaca, diabetes e fibrilação atrial, além das que já sofreram um AVC antes. Entre os sinais que podem indicar o risco de derrame, e que devem levar uma pessoa ao médico, os principais são cansaço repentino, irregularidade do pulso (o coração passa a bater hora lento, hora rápido, por exemplo) e incapacidade de dormir à noite. Segundo o Ministério da Saúde, o AVC causou cerca de 100 000 mortes no Brasil em 2011, sendo que quase metade delas ocorreu entre mulheres. ?

As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no mundo e no Brasil. Entre as enfermidades do sistema cardiovascular, a mais fatal aos brasileiros de ambos os sexos é o AVC: segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, cerca de 100 000 pessoas morreram devido à doença em 2011, sendo que praticamente metade delas (49,5%) eram mulheres. O derrame foi causa de quase 10% de todas as mortes femininas naquele ano, e provocou mais do que o triplo de óbitos entre mulheres do que o câncer de mama (49 863 ante 13 225).

Olhar na mulher — Nas últimas décadas, as mulheres passaram a ficar cada vez mais expostas a fatores de risco ao coração que eram mais comuns entre os homens, como stress e tabagismo, aumentando o espaço das pacientes femininas entre o grupo de risco de doenças cardiovasculares. 

“As mulheres compartilham com os homens muitos fatores de risco ao coração, mas têm outros aspectos que as tornam especialmente vulneráveis”, diz Monique Chireau, ginecologista e obstetra da Faculdade de Medicina da Universidade Duke, nos Estados Unidos, que ajudou a desenvolver as diretrizes. Entre esses fatores, estão complicações na gravidez, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal e maior prevalência de enxaqueca e fibrilação atrial. Outro é o tamanho das artérias, menor que o dos homens, o que pode favorecer o estreitamento e obstrução dos vasos.

As diretrizes da Associação Americana do Coração, que são seguidas por médicos ao redor do mundo, devem ecoar no Brasil. Por aqui, ainda não existem recomendações específicas para a prevenção de doenças cardiovasculares em mulheres — o que há são capítulos dentro de cada medida para indicar particularidades do sexo feminino.

Diferença de gênero — Existe uma fase da vida da mulher em que a probabilidade de ser acometida por moléstias cardiovasculares é, de fato, menor do que a do homem — período que vai até menopausa, quando a produção de estrogênio diminui e, com ele, o efeito protetor do hormônio sobre o coração. “O risco cardiovascular após a menopausa passa a ser semelhante ou até maior do que o dos homens”, diz Carlos Costa Magalhães, diretor de Promoção da Saúde Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Das mortes femininas por AVC registradas no Brasil em 2011, mais de 90% ocorreram após os 50 anos de idade.

Muitas vezes, essa ameaça pós-menopausa é reflexo de uma série de fatores apresentados por uma mulher ainda na juventude, como pressão alta não tratada ou tabagismo. “O risco cardiovascular entre mulheres jovens não está sendo controlado tão bem quanto deveria. Por isso, as diretrizes estão voltadas principalmente para um período anterior à menopausa”, diz Magalhães.

Com: (VEJA)

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Em carta, vizinho pede a jovem para deixar de usar “roupas vulgares”

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução)

Uma jovem de 22 anos recebeu uma carta anônima, escrita à mão por um “pai de família”, pedindo para ela deixar de usar “roupas vulgares” no condomínio onde mora, em Maringá, 428 quilômetros a oeste de Curitiba, no Paraná.

O bilhete foi deixado debaixo da porta de Ana Paula Benatti na sexta-feira (7). A jovem compartilhou o conteúdo da carta em uma rede social. As informações são do Metrópoles.

“Gostaríamos que tivesse o pudor e decência de usar roupas adequadas nas dependências do condomínio. Aqui mora pessoas casadas e de várias religiões, e a senhora não está tendo o respeito usando roupas vulgar [sic]”, diz a carta.

“Não sei de onde veio, mais aqui mora gente de família. Então, por favor, dá-se o respeito, porque eu, como homem e pai de família, fiquei com vergonha de estar com minha filha e a senhora quase nua lá fora [sic]”, prossegue.

Por fim, o remetente avisa que, se Ana Paula não mudar o jeito de se portar, ele irá conversar com a dona do apartamento.

(Foto: Reprodução)

Ao compartilhar o bilhete, a jovem disse se tratar de assédio e injúria. “Crimes morais. Estou totalmente abalada com o ocorrido. Tomarei as providências cabíveis”, assinalou.

Segundo o portal Uol Notícias, o caso foi denunciado nessa terça-feira (11/5) em um boletim de ocorrência na Polícia Civil do Paraná (PCPR).

Ana Paula afirma não saber com qual roupa especificamente o homem se incomodou, mas acredita que tenha sido um short e uma blusa. “Independentemente do que eu vestir, devo ser respeitada”, disse ao Uol.

Continuar Lendo

Brasil

Mais 2,4 milhões têm saque da 1ª parcela do auxílio liberado hoje

Nascidos em outubro já podem resgatar valor depositado em conta digital em abril, movimentada por meio do Caixa Tem.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução/PortalPE10)

Mais 2,4 milhões de pessoas terão o saque da primeira parcela do auxílio emergencial liberado a partir desta quinta-feira (13). Os nascidos em outubro, inscritos pelo CadÚnico ou aplicativo da Caixa, que já tiveram o valor depositado no dia 27 de abril em conta digital, num total de R$ 505,8 milhões, vão poder resgatar em espécie ou fazer transferência.

Os saques da primeira parcela seguem até a próxima segunda-feira (17). Já o depósito da segunda parcela começa neste domingo (16), para nascidos em janeiro, e na terça-feira (18), para os inscritos do Bolsa Família. As informações são do R7.

O calendário é dividido em quatro ciclos, de créditos e saques. Primeiro, o valor é creditado e pode ser movimentado por meio do aplicativo Caixa Tem. Pelo sistema, os beneficiários conseguem pagar boletos, comprar pela internet e pelas maquininhas de estabelecimentos comerciais. Depois, o auxílio é liberado para saque e transferência.

Outra opção é movimentar o dinheiro usando o PIX, sistema de pagamentos instantâneo do Banco Central. A única exceção às transações se dá para os casos de transferência para conta de mesma titularidade.

A nova rodada do auxílio emergencial tem quatro parcelas, de abril a julho, com valor médio de R$ 250. Mulheres chefes de família receberão R$ 375 e pessoas que vivem sozinhas, R$ 150. A estimativa é de que as quatro cotas cheguem a cerca de 40 milhões de famílias.

Desde 2 de abril, as pessoas que se inscreveram pelos meios digitais da Caixa e os integrantes do Cadastro Único do governo federal podem conferir se têm direito a receber o benefício pelo site www.cidadania.gov.br/auxilio. Para quem teve o cadastro negado nesta data, o prazo para contestar a decisão, no entanto, terminou na semana passada.

As estimativas apontam que os novos pagamentos vão injetar R$ 44 bilhões na economia nacional. Desta vez, no entanto, o impulso para conter um tombo maior da economia em 2020 será usado por 98% dos moradores de favelas no Brasil para a compra de alimentos.

Além de alcançar menos beneficiados, com menor valor das parcelas, a nova rodada de pagamentos não aceita novos cadastros para quem ficou de fora do programa em 2020, mas agora precisaria da ajuda. Estão entre os beneficiados apenas aqueles que já estavam cadastradas pelo Cadastro Único, pelo aplicativo da Caixa ou Bolsa Família.

Continuar Lendo

Brasil

Menina de 13 anos mata namorado da mãe com facada no pescoço

Mãe diz que filha tem temperamento difícil, comportamento agressivo e que é usuária de drogas; entenda o caso

Redação PortalPE10

Publicado

Roupas da vítima com manchas de sangue. – (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Uma menina de 13 anos foi detida após matar o namorado da própria mãe, um homem de 59 anos, com uma facada no pescoço no último domingo, 09, em Rio Verde do Mato Grosso, no norte do Mato Grosso do Sul . Uma mulher de 19 anos foi presa suspeita de participar do crime, que ocorreu na casa da menina. A mãe depôs na polícia na segunda-feira, 10, e afirmou que a filha tinha temperamento difícil, um comportamento agressivo e que era usuária de drogas. As informações são do portal G1.

Na ocorrência policial, a menina disse que havia tomado bebidas alcóolicas e usados drogas e também que o homem ameaçava a sua mãe. A mulher de 19 anos nega ter participado do crime, mesmo com a mãe da menina afirmando que ela é quem teria “enfiado a faca”.

A polícia foi acionada pelo hospital municipal para onde o homem foi socorrido, após ser encontrado na Vila do Catu. Ao chegar ao local, apurou que a menina teria sido incentivada pela jovem de 19 anos. O homem foi atingido com um golpe de faca no pescoço e morreu quase imediatamente.

Durante a apuração dos fatos pela Polícia Civil, um adolescente de 17 anos foi autuado pelo crime de autoacusação falsa, por dizer ser o responsável pelo crime na tentativa de assumir a responsabilidade da menina de 13 anos. Outras pessoas ainda escondido a faca usada e alterado a cena do crime, sob investigação.

Em depoimento à polícia na última segunda-feira, 10, a mãe da menina de 13 anos disse que o namoro dela tinha apenas um mês e negou a versão da filha, dizendo que o homem não fazia ameaças e que também não acreditava que ele poderia ter agredido a menina. A polícia suspeita que o casal possa ter se desentendido no dia do homicídio.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações do caso, Gabriel Cardoso Gonçalves Barroso, as duas tiveram prisão preventiva decretada. Uma medida de internação foi solicitada para a menina.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10. Todos os direitos reservados.