Nos siga nas redes sociais

Política

Eduardo Campos divulga foto com sua nova vida de paulistano

Campos e Marina Silva tentam conciliar viagens antes do giro que farão pelo país para ganhar visibilidade.

Avatar

Publicado

O presidenciável Eduardo Campos (PSB) aproveitou o sábado de Aleluia para visitar dois parques da Capital paulista, com a família.Interessado no eleitorado local, Campos se mudou para o bairro paulistano de Moema, fazendo da cidade de São Paulo o quartel-general de sua campanha ao Planalto.

Será que vai se adaptar tão bem a vida paulistana a ponto de, seguindo o exemplo do deputado federal Roberto Freire (PPS-SP), passar a fazer política no Estado de São Paulo ?

Campos e Marina Silva tentam conciliar viagens antes do giro que farão pelo país para ganhar visibilidade. Além do ato no próximo sábado em Manaus, em que estarão lado a lado, há a expectativa de que Marina o acompanhe na ida a Belém, uma das etapas do tour que o pessebista fará pelo Norte.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pernambuco

Paes Mendonça critica inexperiência de candidatos no Recife

Paes Mendonça critica inexperiência de candidatos no Recife

Marcelo Passos

Publicado

João Carlos Paes Mendonça

Empresário do ramo de Shopping Center no Recife e dono do Jornal de Comércio, João Carlos Paes Mendonça mostra preocupação com a quantidade de palafitas, a pobreza, os esgotos, a falta de água nos morros. E surpreso com a total inexperiência de candidatos à Prefeitura como a principal dificuldade para a capital superar suas desigualdades.

Numa alusão às três séries do Campeonato Brasileiro, disse que a cidade está parada há 20 anos. Sempre ocupou a série A, infelizmente pulou para B e hoje está na C, perdendo espaço e a hegemonia no Nordeste para Salvador e Fortaleza.

Continuar Lendo

Brasil

Decreto autoriza uso das Forças Armadas nas eleições de 2020

PortalPE10 com informações UOL

Publicado


A Presidência da República editou nesta segunda-feira (19) um decreto que autoriza o uso das Forças Armadas nas eleições de 2020.

O decreto visa, de maneira geral, contribuir para a segurança do processo eleitoral, possibilitando o exercício livre do voto aos eleitores e a apuração adequada dos votos.

Segundo o ato, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, o Ministério da Defesa e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vão atuar de forma articulada para cumprir com este objetivo.

Os locais em que as Forças Armadas vão atuar serão definidos em conjunto com o TSE.

Continuar Lendo

Brasil

Grupos de renovação terão candidatos em 29 dos 33 partidos do País nas eleições 2020

Postulantes a prefeito ou a vereador formados ou associados a esses movimentos estão em quase 90% das legendas brasileiras e em todas com representação no Congresso

Lucas Passos

Publicado

João Victor (PSC/PE)

João Victor (PSC), candidato a vereador em Xexéu/PE Foto: Carlo Ezequiel Vannoni/Estadão

Nas eleições deste ano, todos os 27 partidos com representação no Congresso terão candidatos formados ou associados a movimentos de renovação política. O Estadão identificou em 29 das 33 siglas brasileiras candidaturas ligadas a grupos como RenovaBR, Rede de Ação Política Pela Sustentabilidade (Raps), Agora, Livres e Acredito, uma disseminação que expõe um crescimento do poder de influência dessas iniciativas na política nacional. São candidatos que apostam mais na chancela dos movimentos do que na dos partidos aos quais estão filiados, e que têm tratado a preparação recebida fora das legendas como principal diferencial para conquistar o voto do eleitor.

As marcas dos grupos de renovação estão espalhadas por candidatos a prefeito e vereador por todo o País e não só nas capitais. Em Xexéu, município de cerca de 15 mil habitantes a 140 km do Recife (PE), João Victor Silva Sobrinho é candidato a vereador pelo PSC. Aos 21 anos, o técnico de informática participa da disputa eleitoral já influenciado por movimentos. Há dois anos ele frequenta as organizações e hoje está associado ao Livres, ao Acredito e ao RenovaBR.

“Tive capacitação nos movimentos e participei de processos seletivos para ver quem iria representá-los nas eleições. Ao contrário dos partidos políticos, onde pode entrar qualquer pessoa, independentemente se faz boas práticas na política ou não”, afirmou João Victor.

Com 1.032 ex-alunos candidatos a prefeito e vereador em 398 cidades, o RenovaBR é o grupo que mais terá representantes nas urnas no mês que vem. É um crescimento de 800% em relação aos 117 candidatos que levaram a marca da iniciativa para o pleito de 2018.

A Raps tem 187 líderes disputando as eleições em 95 cidades brasileiras. O Acredito, 100 candidatos em 75 municípios. O Livres está associado a 75 candidaturas em 40 cidades. O Agora lançou apenas cinco nomes em cinco municípios diferentes.

O número de candidatos associados a esses movimentos supera pelo menos cinco partidos: o Novo, que aposta em 620 nomes em todo o País na eleição deste ano, e siglas “nanicas” como PSTU, PCB, PCO e UP, que, somadas, chegam a 555 candidaturas – dentre as quais a reportagem não identificou membros de grupos de renovação.

“É uma tendência que já vem desde a eleição de 2018. Esses movimentos apostaram em variedade, foram ficando mais conhecidos, e agora estão em todo o espectro político”, disse a cientista política Carolina de Paula, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). Para ela, o quadro é sintomático da crise dos partidos no Brasil. “A política partidária tradicional envelheceu e não deu espaço nem para a renovação interna. Vai ter que remar para se acostumar a este novo paradigma.”

Integrante da Raps, Madalena Santos é candidata pelo Avante a uma vaga na Câmara Municipal de Hortolândia, no interior de São Paulo. A biomédica está em sua terceira campanha, depois das tentativas de se eleger ao cargo de vereadora em 2012 e de deputada estadual em 2018 pelo PSOL.

Madalena Santos (Avante/SP)

Madalena Santos, candidata a vereadora em Hortolândia/SP pelo Avante Foto: Denny Cesare/Estadão

Antes do pleito deste ano, decidiu apostar na qualificação da Raps e avalia que obteve um “olhar mais amplo para a prática de boas políticas” com base no diálogo cívico. “Os partidos políticos vêm criando uma briga absurda, que foge do foco e do debate político, e quem perde são as pessoas e a democracia. Não vivemos em uma bolha. É fundamental dialogar”, afirmou Madalena.

Currículo

Em capitais, a estratégia para tentar se diferenciar em meio ao número elevado de candidaturas passa até por registrar a experiência nos movimentos de renovação no currículo profissional. É o caso de Michelle Guimarães, candidata pelo PL a vereadora em Manaus (AM). Com quase 15 anos na iniciativa privada, formada pelo RenovaBR e associada à Raps e ao Agora, ela defende a ideia de que político tem de se preparar para exercer o cargo público assim como qualquer profissão.

Michelle Guimarães

Michelle Guimarães (PL), candidata a vereadora em Manaus Foto: Nathália Carvalho/Campanha Michelle Guimarães

“Nunca vi os partidos fazerem essa preparação de forma incisiva como os movimentos. Alguns até entenderam a importância e tentaram fazer algo parecido”, disse Michelle. “Se todo mundo tem que estudar para exercer uma função, por que o político não? Por isso apresento meu currículo.”

Ligado ao movimento Agora desde sua fundação, em 2018, o advogado Diogo Busse (PDT), candidato pela terceira vez a vereador em Curitiba (PR), vê nos movimentos uma saída para fortalecer o diálogo e a democracia, e, assim, melhorar a política.

“Os partidos estão desacreditados. Salvo raras exceções, os partidos são instituições pouco transparentes e ambientes dominados por pessoas que não valorizam a democracia”, afirmou Busse. “Parece que não há muita vontade de educar politicamente, pois cidadãos conscientes escolhem melhor seus representantes e não são passíveis de domesticação.”

Diogo Busse (PDT/PR)

Diogo Busse, candidato a vereador em Curitiba/PR pelo PDT Foto: Denis Ferreira Netto/Estadão

Expansão gerou questionamento

Com diferentes perfis e bandeiras, movimentos como RenovaBR, Agora, Acredito, Livres, MBL e Raps ajudaram a eleger 54 políticos nas eleições de 2018, sendo 30 no Congresso. Mas essa ascensão causou incômodo nos partidos, sobretudo do Centrão.

Após o pleito de 2018, houve questionamentos no Tribunal Superior Eleitoral sobre a licitude da atividade desses movimentos, bancados por doações privadas. Os grupos foram ainda acusados por parlamentares de promover uma “cortina de fumaça” para burlar a lei eleitoral e incentivar a infidelidade partidária.

Fonte: Estadão

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.