Nos siga nas redes sociais

Brasil

Josué Gomes da Silva lança chapa com pesos pesados para chefiar Fiesp

O grupo tem pesos pesados do PIB brasileiro

Lucas Passos

Publicado

© Roberto Stuckert Filho/Presidência da República   O empresário Josué Gomes da Silva, dono da Coteminas, é apoiado pelo presidente da Fiesp, Paulo Skaf, para sua sucessão. O cargo pode ser uma plataforma para a entrada do empresário no mundo da política

O empresário Josué Gomes da Silva, da Coteminas, registrou na manhã desta 2ª feira (28.set.2020) sua chapa para concorrer à eleição que vai escolher o novo presidente e diretoria da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

O grupo tem pesos pesados do PIB brasileiro. A chapa está sendo ainda validada pela Fiesp (são mais de 130 nomes para disputar os cargos de presidente, vice-presidente e diretores da entidade). Por enquanto, a candidatura de Josué a presidente da Fiesp já tem perto de 95% dos votos no colégio eleitoral (compostos por sindicatos filiados).

O Poder360 apurou que estão na chapa com Josué, por enquanto, seguintes empresários:

  • Marcelo Ometto (São Martinho);
  • André Gerdau (Gerdau);
  • José Ermírio de Moraes (Votorantim);
  • Flávio Rocha (Riachuelo);
  • Salo Seibel (Duratex);
  • Dan Ioschpe (Ioschpe-Maxion);
  • Luiz Carlos Gomes de Moraes (presidente da Anfavea);
  • João Carlos Marchezan (presidente da Abimaq);
  • Rafael Cervone (presidente emérito da Abit);
  • Irineu Gouvêa (presidente da Abinee);
  • João Carlos Basílio da Silva (presidente da Abiphec);
  • Levi Ceregato (presidente da Abigraf).

APOIO DE PAULO SKAF

O atual presidente da Fiesp, Paulo Skaf, apoia e ajuda a articular a candidatura de Josué para sucedê-lo.

Skaf está no 4º mandato no comando da entidade. Assumiu a Fiesp em 2004 e decidiu não vai concorrer a mais 1 período. A gestão atual vai até 31 de dezembro de 2021.

A data limite para registro de chapas é nesta 2ª feira (28.set.2020), até 17h. A eleição propriamente é apenas em 5 de julho de 2021.

O possível concorrente de Josué é o presidente da Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico), José Ricardo Roriz Coelho, de 62 anos. Neste momento, segundo o Poder360 apurou, Roriz tem menos de 5% dos votos do colégio eleitoral que vai eleger a próxima direção da Fiesp.

Aos 56 anos, Josué é também sempre citado como possível candidato a presidente ou vice-presidente da República. Ele é filho de José Alencar (1957-2011), que foi vice-presidente de Lula por 8 anos.

A eleição na Fiesp terá, por indicação de Paulo Skaf, uma comissão que fiscalizará a disputa:

  • Sydney Sanchez, ex-ministro STF;
  • Ellen Gracie, ex-ministra do STF;
  • Almir Pazzianotto, ex-presidente do TST;
  • Ives Gandra da Silva Martins, advogado constitucionalista;
  • Maria Cristina Mattioli, desembargadora aposentada do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

A Fiesp é a mais poderosa e mais rica federação industrial do Brasil.

A entidade tem capilaridade em processos políticos. Durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, a Fiesp foi eficaz ao vocalizar críticas que ajudaram a derrubar a petista.

A Coteminas, de Josué, é dona de marcas como Artex e Santista, é hoje é a maior indústria de itens de cama, mesa e banho nas Américas. Tem 15 fábricas no Brasil, 5 nos EUA, uma na Argentina e uma no México.

Nascido em Minas Gerais, Josué vive em São Paulo há 35 anos. Presidiu a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção), na qual tem atualmente a posição de presidente honorário. Também foi presidente do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial).

Em 2014, candidatou-se ao Senado pelo MDB de Minas Gerais. Não foi eleito: ficou em 2º lugar, atrás de Antonio Anastasia, então no PSDB e hoje no PSD.

Fonte: Poder360

Brasil

Acusado de matar ator Rafael Miguel e seus pais é preso no Paraná

A Polícia Civil descobriu que Cupertino fez uma identidade nova com certidão de nascimento falsa na cidade de Jataizinho, no norte do estado.

Marcos Philipe Passos

Publicado

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Paulo Cupertino, o empresário acusado de assassinar o ator Rafael Miguel e os pais dele, foi preso nesta quarta-feira (28) no Paraná. O crime aconteceu em São Paulo em junho de 2019 e ele estava foragido desde então.

A Polícia Civil descobriu que Cupertino fez uma identidade nova com certidão de nascimento falsa na cidade de Jataizinho, no norte do estado. Ele usava o nome de Manoel Machado da Silva como disfarce para se esconder da polícia.

Em 19 de junho de 2020, a Justiça converteu o mandado de prisão temporária dele em preventiva. Cupertino estava na lista de mais procurados pela Polícia Civil de São Paulo desde julho deste ano.

Paulo Cupertino não aceitava o relacionamento do ator com a filha, Isabela Tibcherani e assassinou o jovem e os pais dele, João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, de 50, em frente à menina e sua mãe.

Continuar Lendo

Brasil

Prazo para recorrer por auxílio emergencial de R$ 300 negado acaba segunda-feira

Veja quais os principais motivos que levam ao corte do benefício pago na pandemia

PortalPE10 com informações UOL

Publicado

O trabalhador informal que teve o auxílio emergencial residual de R$ 300 negado pelo governo tem até segundaa-feira (2) para contestar o corte do benefício pago na pandemia de coronavírus.

Segundo o Ministério da Cidadania, a contestação deve ser feita no site da Dataprev (empresa de tecnologia do governo federal). O cidadão deve acessar a página do órgão (portal.dataprev.gov.br), clicar em “Consulte a sua situação do auxílio emergencial” e informar dados como CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento.

Depois de digitar os dados, o trabalhador deve clicar no quadro que está abaixo, em “Não sou um robô”, e ir em “Enviar”. Será informado o motivo pelo qual as demais parcelas foram negadas.

De acordo com as regras criadas pelo Ministério da Cidadania, a contestação da resposta negativa vale para informais, MEIs (microempreendedores individuais), desempregados e contribuintes do INSS que se inscreveram pelo aplicativo Caixa | Auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br e para trabalhadores que já estavam inscritos no CadÚnico do governo federal.

A medida não vale para os beneficiários do Bolsa Família. Para estes cidadãos, será aberto aberto um novo prazo para fazer a contestação do benefício, caso não estejam recebendo e julguem ter direito, conforme informou a Cidadania.

O auxílio emergencial de R$ 600, liberado em abril, foi aprovado por iniciativa do Congresso para conter os efeitos econômicos da pandemia de coronavírus. Inicialmente, seriam pagas três parcelas, mas o governo prorrogou a medida e o benefício vigorou por cinco meses.

Em setembro, foi publicada a medida provisória 1.000, garantindo mais quatro parcelas do auxílio, agora chamado de residual ou extensão, no valor de R$ 300.

Segundo as novas regras, nem todos que receberam os R$ 600 vão ganhar os R$ 300. Além disso, não serão pagas mais quatro parcelas a todo mundo, totalizando nove. O número de parcelas depende de quando o cidadão começou a receber o auxílio emergencial.

Entre as alterações que limitam o benefício estão regras baseadas na declaração do IR de 2019, entregue neste ano à Receita. Trabalhador que teve renda tributável acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou que constou com dependente na declaração do IR perde o direito aos valores, entre outras normas.

Confira as respostas que poderão aparecer
1 – Menor de idade

Quem fez o pedido tem menos de 18 anos; o auxílio só é pago para menores caso sejam mães
2 – Óbito

A pessoa consta como morta nos arquivos federais e teria recebido as outras parcelas indevidamente
3 – Vínculo RGPS

O cidadão tem emprego com carteira assinada, ou seja, está vinculado ao RGPS (Regime Geral de Previdência Social)
4 – Trabalhador intermitente

Os trabalhadores intermitentes chegaram a receber as parcelas do auxílio de R$ 600, mas pela nova regra, não têm mais direito ao benefício no valor de R$ 300
5 – Benefício previdenciário ou assistencial

O cidadão conseguiu se aposentar, está recebendo pensão ou tem renda por meio do BPC (Benefício de Prestação Continuada)
6 – Família já contemplada

Alguém da família já está recebendo ao menos duas cotas dos R$ 300
7 – Família monoparental

Mulheres que são chefes de família e já recebem duas cotas do auxílio de R$ 300
Neste caso, a confusão pode ocorrer porque, ao receber duas cotas hoje, ela tem direito a R$ 600, que era o valor antigo de uma única parcela do auxílio
8 – Benefício emergencial de emprego e renda

O cidadão que recebe BEm (benefício emergencial) tem carteira assinada em empresa que optou por reduzir salário e jornada ou suspender o contrato; neste caso, já recebe auxílio do governo
9 – Seguro-desemprego ou seguro defeso

O trabalhador está recebendo o seguro-desemprego do governo federal por estar sem vaga de trabalho; já o seguro-defeso é pago a pescadores
10 – Agente público – Rais

Trabalha em órgão público, conforme consta na Rais (Relação Anula de Informações Sociais) de 2019
11 – Servidor público federal

O cidadão está indicado como servidor público federal nos cadastros
12 – Político eleito

O profissional consta como eleito para algum cargo
13 – Servidor público militar

O nome do trabalhador está registrado como militar, o que não dá direito ao auxílio
14 – Servidor público estadual, municipal ou distrital

Nos registros federais, o trabalhador está como servidor de prefeitura, estado ou do Distrito Federal

Continuar Lendo

Brasil

Dois candidatos a prefeito, três a vice-prefeito e 15 a vereador foram vítimas do novo coronavírus em 20 municípios

Ao menos 20 candidatos na eleição municipal deste ano morreram em decorrência da Covid-19 desde 27 de setembro

Marcelo Passos

Publicado

Ao menos 20 candidatos na eleição municipal deste ano morreram em decorrência da Covid-19 desde 27 de setembro, data que marca o início da campanha eleitoral.
Dois candidatos a prefeito, três a vice-prefeito e 15 a vereador foram vítimas do novo coronavírus em 20 municípios brasileiros.

No último domingo (25), foi registrada a primeira vítima da doença dentre os candidatos majoritários nas capitais: Edileusa Lóz (MDB), candidata a vice-prefeita de Boa Vista, capital de Roraima. Ex-secretária municipal de Gestão Social, Edileusa integrava a chapa de Arthur Henrique (MDB), atual vice-prefeito que disputa a sucessão com o apoio da prefeita Teresa Surita (MDB). Natural de João Pessoa, na Paraíba, ela tinha 57 anos e vivia em Roraima havia 20 anos.

A doença progrediu de maneira rápida. Edileusa foi internada em leito de terapia intensiva no Hospital Geral de Roraima na tarde da última quinta-feira (21). O quadro se agravou e ela morreu na manhã de domingo.

A campanha de Arthur Henrique paralisou as suas atividades por 24 horas. Em mensagem em rede social, o candidato lamentou a morte da companheira de chapa na disputa pela prefeitura.

“Precisamos seguir juntos e fortes por ela, para continuar esse projeto do qual ela fazia parte com tanto orgulho e dedicação. Que Deus nos dê forças para superar a dor de sua perda e seguirmos em frente”, afirmou Arthur Henrique. O MDB analisa nomes de possíveis substitutos para o posto de vice na chapa.

De acordo com a legislação eleitoral, um partido ou coligação pode substituir um candidato que morrer durante a campanha, desde que o pedido de registro do novo nome aconteça em um prazo máximo de dez dias após a morte. Caso haja substituição, esta deverá ser amplamente divulgada.

Na cidade de Montividiu (GO), o candidato a prefeito Ademir Serafim (DEM), 62, morreu com Covid-19 no dia 18 de outubro. Ele era vereador na cidade havia quatro mandatos e disputava a prefeitura da cidade pela primeira vez.

Em Ibema (PR), o ex-prefeito e candidato à prefeitura Aramitan Antônio Fortunato (PROS), 58, morreu após ficar cerca de um mês internado em um leito de terapia intensiva no Hospital Universitário do Oeste do Paraná.

Em Canguaretama (RN), cidade de 34 mil habitantes, o candidato a vice-prefeito Dr. Edson Jovino (PRTB), 48, morreu no último dia 18 após complicações em decorrência da Covid-19. Já na cidade de Novo Gama (GO), o candidato a vice-prefeito Chico Viana (PSOL), 73, morreu vítima da doença.

No mesmo período, foram registradas as mortes de ao menos 15 candidatos a vereador com Covid-19, sendo dois deles em capitais: o Pastor Damaceno Júnior (PSD), 43, em Curitiba, e Ronaldo Miguel Bezerra (PSL), 54, que disputava uma cadeira na Câmara Municipal de João Pessoa.

Em Pau Brasil (BA), morreu o candidato Gerson Pataxó, 57. Ele era um importante líder indígena no sul da Bahia, exerceu quatro mandatos como vereador e disputava a reeleição pelo PT.

Também morreram de Covid-19 candidatos a vereador nas cidades paulistas de Santo André, Sorocaba, Penápolis e Guareí, em General Carneiro (MT), Arquimedes (RO), Sousa (PB), Carira (SE), Guamaré (RN), Santa Quitéria (CE), Nova Serrana (MG) e Mineiros (GO).

Em pelo menos quatro capitais, houve casos de candidatos a prefeito contaminados pela Covid-19 durante a campanha eleitoral, mas que ainda estão em recuperação ou já se recuperaram.

Em São Luís, onde a campanha tem sido marcada por convenções e atos com aglomerações, dois candidatos a prefeito foram contaminados. Rubens Pereira Júnior (PC do B) teve apenas sintomas leves, cumpriu quarentena e recuperou-se da doença. Já o candidato Carlos Madeira (Solidariedade) desistiu da disputa após ser acometido por uma síndrome pós-Covid.

Em Manaus, foram dois candidatos contaminados após o início da campanha: Chico Preto (DC) e Romero Reis (Novo). O candidato David Almeida (Avante) também foi infectado, mas poucos dias antes do começo da campanha. Os três estão recuperados.

Já em Fortaleza, o candidato Sarto Nogueira (PDT) foi contaminado. Ele se recuperou e retomou as atividades de campanha.

Em Goiânia, o ex-governador e candidato a prefeito Maguito Vilela (MDB), 71, foi transferido para um leito de UTI na manhã da segunda-feira (26) após ser infectado pelo novo coronavírus. Com uma inflamação nos pulmões, o quadro do emedebista é considerado estável.

 

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.