Nos siga nas redes sociais

Entretenimento

Mauricio de Sousa lança autobiografia com a gênese de seus 500 personagens

Mauricio viu quadrinhos pela primeira vez numa lata de lixo em um posto de gasolina.

Avatar

Publicado

Foto: Folhapress

Aos 81 anos, Mauricio de Sousa é um pai superlativo: seus filhos de carne e osso são dez, de quatro mulheres diferentes. Os do papel já chegam a 500 – e é praticamente certo que você, assim como qualquer brasileiro, conheça um bom punhado deles pelas revistinhas da Turma da Mônica.

Boa parte desse enredo (os filhos, as mulheres, as personagens) está sendo contada na autobiografia A História que Não Está no Gibi, livro divertido, direto e bem escrito – o texto e a reportagem adicional são do jornalista Luís Colombini, em cima de depoimentos semanais de Mauricio, por cerca de um ano.

Falando em superlativo, tanto o livro quanto essa reportagem poderiam seguir parágrafos sem fim desfiando os números de Mauricio de Sousa e seus estúdios, como o de revistas já publicadas (1 bilhão), visualizações de desenhos no YouTube (2,2 bilhões) ou produtos licenciados (3.000). Melhor ir logo ao que interessa: as histórias que não estão no gibi.

Mauricio passou a maior parte da infância e juventude em Mogi das Cruzes, a 57 km do centro de São Paulo. Seu pai, Antonio, era uma figura: tinha uma barbearia com gráfica subversiva nos fundos (jornais A Vespa e A Caveira), devidamente destruída pelas autoridades do Estado Novo em 1940. Alguns anos mais tarde, o seu Antonio daria apelidos a dois meninos que brincavam ali na rua: Cascão e Cebolinha, conhecidos assim até hoje lá em Mogi.

Mauricio viu quadrinhos pela primeira vez numa lata de lixo em um posto de gasolina. Joca Marvel. Super-Coelho. O menino gamou. Passou anos colecionando, aprendendo. Aos 19, bateu na redação da Folha da Manhã (que se tornaria a Folha de São de Paulo) querendo ser ilustrador. Não conseguiu, mas ganhou a vaga de redator e, meses depois, a de repórter policial.

Exercendo a profissão com garbo, de sobretudo e chapéu, conheceu a primeira mulher na delegacia: uma fotógrafa suspeita de sequestrar uma criança numa festa infantil (vá lá, a polícia convocou todas as fotógrafas de festas infantis da cidade). Como Marilene Spada não era a tal, não foi presa, o amor prosseguiu e puderam se casar, gerando em escadinha Mariângela (que mais tarde inspiraria a personagem Maria Cebolinha), Mônica (ela mesma) e Magali (você também sabe quem).

Em 1959, Mauricio publicou sua primeira tira, já com Franjinha e Bidu, na extinta Folha da Tarde. Logo se tornaria um sucesso, com as tiras sendo republicadas em mais de cem jornais do país.

– Gostei tanto de fazer esse livro que já penso em fazer o segundo e até o terceiro. Ficou muita coisa de fora – conta ele. Mesmo com muitos cortes, a obra surpreende em alguns momentos pela franqueza.

Um dos capítulos, por exemplo, descreve em detalhes o sequestro de seu caçula em 2008. Além disso, é curto e grosso: “Nascido em 1998, [o caçula] é fruto do relacionamento com uma ex-funcionária, Marinalva Pereira, que me custou uma crise no casamento com Alice”. Os leitores agradecem.

E O LOUCO?

Não está lá, entretanto, algo que Mauricio revelou sobre o personagem Louco na entrevista que deu à Folha. É algo muito estranho para os leitores da Turma da Mônica, sombrio até:

– O Louco? Só Cebolinha vê o Louco. Será ilusão do Cebolinha?! Veja, um passante pode interagir com o Louco, mas pode ser outra ilusão. Na turminha, só o Cebolinha o vê. Talvez o Louco não exista. Talvez o Cebolinha tenha algum problema. E sabe o que é o pior? Não foi de propósito. Percebi recentemente que isso sempre aconteceu.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entretenimento

Jornalista da Globo Andréia Sadi anuncia gravidez de gêmeos

A novidade foi comunicada por ela nos bastidores da Globo nesta quinta (29) e confirmada por seu companheiro André Rizek em seu programa no SporTV.

Marcos Philipe Passos

Publicado

(Foto: Reprodução/TV Globo)

(Foto: Reprodução/TV Globo)

A jornalista de política da Globo e da Globonews, Andréia Sadi, 33 anos, está grávida de gêmeos. Com 4 meses de gestação, a repórter falou sobre a novidade para colegas de redação nesta quinta-feira (29). Mas a emissora já tinha conhecimento da informação desde setembro.

A gravidez da apresentadora chegou a ser comentada nas redes sociais por alguns companheiros de trabalho, os quais apagaram as publicações para preservar o segredo. No “Em Pauta”, na Globonews, a jornalista, especialista em política chegou a ser motivo de piadas internas relacionadas ao assunto.

A futura mamãe já tinha falado sobre a gestação com amigos íntimos, porém pediu discrição, para fazer o comunicado em seu tempo.

Em breve, a apresentadora deve se reunir com a Globo para definir como seguirá seu trabalho nos próximos meses.

*Com informações Diário do Nordeste

Continuar Lendo

Entretenimento

Fazenda reconhece erro em prova, suspende votação e cancela roça

A Fazenda 12: direção cancela prova e suspende votação; entenda

Marcelo Passos

Publicado

Foi suspensa a votação para elimição de um dos peões de A Fazenda nesta quinta-feira (29). Em um comunicado, a Record TV explicou que houve um erro na Prova do Fazendeiro, que acabou comprometendo a formação da Roça.

Confira abaixo:

“A Record TV vem a público informar que constatou um equívoco no resultado da Prova do Fazendeiro realizada ontem, dia 28/10. Infelizmente, esta falha comprometeu a formação da Roça e a escolha do Fazendeiro.

Diante disso, decidimos suspender a votação.

No programa de hoje à noite, serão esclarecidos para o público e os peões os detalhes do que aconteceu e como ficará a sequência do reality show.

A produção de A Fazenda 12, o apresentador Marcos Mion e a Record TV pedem desculpas aos telespectadores, a quem acompanha o programa pela internet, por streaming e pelas redes sociais e também a todos que votaram pelo ocorrido.”

Continuar Lendo

Entretenimento

Xuxa diz que vai processar Sikêra Júnior: “Mistura de palhaço e repórter”

“Parece que ele quer ser bastante popular e caricato, uma mistura de palhaço e repórter com uma postura bem forçada, desengonçada e tosca.

PortalPE10 com informações UOL

Publicado

A apresentadora teve acesso às imagens de Sikêra por meio das redes sociais de Luísa Mell e repostou o conteúdo questionando “Qual é a graça? Zoofilia é crime”. “O tal senhor, ao invés de ver o erro que fez e se desculpar com as famílias que vêem seu programa, começou a me atacar, me chamando de pedófila e ex-rainha. E mais, disse que ensinava crianças a não deixarem ninguém tocá-las em certos lugares do corpo”, comentou ela.

“Uma pessoa que coloca em sua atração imagens de um animal sendo violentado e ainda encena ao vivo o horror que o bicho passou sorrindo, dando gargalhadas, passará às crianças e às pessoas que estão vendo que isso é normal ou uma piada. São seres indefesos que são usados por pessoas doentes e ninguém pode fazer disso um show de horrores ou pauta para piada, isso é inadmissível”, continuou ela.

“Se ele era mesmo meu baixinho, não aprendeu nada!”

Ao rebater as críticas de Xuxa, Sikêra citou o filme Amor Estranho Amor. “Esse senhor disse que transar com criança é pedofilia e ele tem razão, assim como sexo com animal é zoofilia, ambos crimes. Errou ao dizer que eu fiz, aliás errou muito feio, mas isso é assunto para meus advogados. De qualquer forma, esclarecendo o que eu acredito que ele não saiba, ficção é uma coisa e realidade é outra”, esclareceu.

“Há 40 anos, fiz um filme onde interpretei uma menina de 15 anos que foi vendida a um prostíbulo para ser dada de presente a um político. Uma ficção, que retrata o que se passa até hoje na vida de muitas meninas e meninos, não na minha. Muitas crianças, assim como minha personagem, são vendidas e exploradas sexualmente por pessoas que acham que tudo é permitido a seu bel prazer”.

Em seu programa, Sikêra também afirmou que Xuxa faria apologia às drogas. “Como se não bastasse, esse senhor desinformado também usou a imagem da minha filha dizendo que estou fazendo apologia às drogas. Todos sabem que minha mãe morreu com a doença de Parkinson e me foi apresentada a cannabis medicinal, que é maconha concentrada em líquido, utilizada para pessoas que têm doenças degenerativas”, contou.

“Todos sabem o quanto eu sou contra qualquer tipo de droga, ilícita ou não: não bebo, não fumo e nunca me droguei, nem por curiosidade. Minha filha, e quem me conhece, sabe disso e em um contexto bem diferente, falando da cannabis, comentou que, antes de eu morrer, deveria tomar um porre e provar maconha, ou seja, me permitir errar um pouco. Foi um comentário e não uma realidade”.

“Esse senhor disse que gostava de mim quando era pequeno. Mas que idade tem ele para dizer que me via quando pequeno? Se ele era mesmo meu baixinho, não aprendeu nada! Me agrediu por ter um público LGBTQIA+, mostrando que se transformou em um homofóbico, mal informado e que não tem compostura. Dá para entender ele não gostar de mim, já que eu sou contra o machismo, homofobia, racismo e a favor dos bichos”.

Ao fim do texto, Xuxa afirma que irá processar Sikêra. “Isso tudo foi para dizer que meus advogados vão trabalhar para mais uma instituição ganhar dinheiro, pois sim, qualquer pessoa que vier me difamar, contar mentiras ou distorcer a realidade por causa do livro, filme ou o que seja, terá que pagar por isso. E quem vai ganhar será mais uma instituição escolhida por mim”.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.