Nos siga nas redes sociais

Brasil

Mortes de pessoas com menos de 60 anos por Covid registra crescimento

PortalPE10 com informações UOL

Publicado

O percentual de pacientes com até 60 anos mortos por Covid no Brasil registrou em janeiro sua primeira alta em quase um ano de pandemia, e, embora esse aumento seja discreto, ele acende um alerta para os mais jovens —em geral, fora da faixa etária de maior risco para a doença.

Na média, 1 a cada 4 mortos pela doença no país tem 60 anos ou menos, embora essa proporção tenha oscilado ao longo do tempo e possa estar relacionada à lotação dos hospitais e ao acesso à saúde. No total, o país contabiliza quase 250 mil óbitos.

Em abril de 2020, quando pouco se sabia sobre possíveis tratamentos e muitos estados tentavam abrir hospitais de campanha e leitos de UTI, os pacientes com até 60 anos eram 32% dos mortos (1 a cada 3). Esse percentual foi caindo com o passar dos meses, atingindo 23,1% em novembro e dezembro, segundo dados do Ministério da Saúde.

Em janeiro, pela primeira vez, a proporção cresceu, ainda que moderadamente: chegou a 24,9%, na esteira do avanço do número de casos, aumento de mortes e lotação de hospitais em alguns estados.

O crescimento da mortalidade nessa faixa etária, considerada de menor risco para a doença, não é regra, mas pode ser observada em locais onde houve aumento de casos e da ocupação dos leitos hospitalares, como Amazonas, Maranhão e Sergipe.

O caso mais expressivo é o do Amazonas, onde 40,4% dos mortos pela doença em janeiro tinham 60 anos ou menos. Para efeito de comparação, em novembro, mês com menor número de óbitos no estado, a faixa etária respondia por 29,5% das vítimas da Covid.

No mês passado, o sistema de saúde amazonense entrou em colapso, com fila de espera para leitos, desabastecimento de oxigênio nos hospitais e explosão de mortes.

“Em Manaus, vimos gente de 20 anos, 30 anos, morrendo. São pessoas cuja chance de sobrevivência na UTI é maior, mas não foram para UTI, morreram por falta de oxigênio”, afirma Sztajnbok.

O Brasil tem gargalos na chamada vigilância genômica, feita a partir do sequenciamento de amostras, o que dificulta o entendimento do que levou à nova crise no Amazonas.

Brasil

Bolsonaro muda o tom e admite possibilidade de se vacinar contra a Covid-19

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução/Facebook)

O presidente da República voltou a espalhar desinformação sobre a vacina contra o coronavírus. Disse que, por ter se contaminado, estaria mais imunizado que alguém que tomou o medicamento. Na verdade, pesquisas mostram que quem se infectou pode ficar livre da doença por alguns meses. Mas os anticorpos desenvolvidos diminuem até que o paciente esteja novamente vulnerável. A vacina, a máscara e o isolamento social são os meios mais seguros de se proteger contra o vírus.
Apesar disso, Jair Bolsonaro (sem partido) cogitou, pela primeira vez, indiretamente, a possibilidade de fazer uso do imunizante. Em janeiro, o Palácio do Planalto decretou sigilo sobre o cartão de vacina do presidente. O chefe do Executivo foi filmado falando com apoiadores na noite dessa sexta-feira (5). “Eu, por exemplo, tem alguns me perturbando, ‘tome vacina’. O que é a vacina? Não é o vírus morto? Eu já tive o vírus vivo. Estou imunizado. Deixa outro tomar vacina no meu lugar”, disse.
“Lá na frente, depois que todo mundo tomar, seu eu resolver tomar, porque, no que depender de mim, é voluntário, não podemos obrigar ninguém a tomar vacina, eu tomarei”, assumiu. Por diversas vezes, o presidente desdenhou da vacinação contra o coronavírus, e chegou a comemorar quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu temporariamente os testes. A fala de Bolsonaro mostra uma mudança de postura.
“Estamos disponibilizando vacina para todo mundo no Brasil. Gratuita e voluntária. Alguns governadores votaram uma emenda via parlamentares, para os estados comprarem vacina. Mas quem vai pagar a conta? Eu, não. Se quiserem comprar, podem comprar, mas a vacina vem para o Plano Nacional de Imunização”, avisou o presidente.
O país registrou, nas últimas 24 horas, 1,8 mil mortes por coronavírus, segundo Ministério da Saúde. É o segundo maior número de mortes em um dia. Na quarta-feira (3), a cifra chegou a 1.910. Com pequenas variações, o número de óbitos por semanas epidemiológicas também tem apresentado crescimento.
Continuar Lendo

Brasil

Escalada da pandemia: Brasil bate novo recorde e acumula 10 mil mortes por Covid-19 em uma semana

Redação PortalPE10

Publicado

A patient suspected of having COVID-19 is received at the HRAN Hospital in Brasilia, Brazil, Wednesday, March 3, 2021. The number of new COVID-19 cases in Brazil is still surging, with a new record high of deaths reported on Tuesday. (AP Photo/Eraldo Peres)

O Brasil registrou 1.498 novas mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas. Com isso, neste sábado (6), o país registrou mais de 10 mil mortes pela doença em sete dias. É a primeira vez desde o início da pandemia que isso acontece.

Na última semana, o país completou ainda sete dias seguidos com novos recordes de média móvel de mortes, com o último alcançado neste sábado (6), de 1.455. O recorde anterior era de 1.423.

Dessa forma, o país completa 45 dias com média móvel acima de 1.000. O número de casos nas últimas 24 horas foi de 67.477.

Como tem ocorrido, o elevado número de mortes é acompanhado por altas taxas de contaminação. Os últimos três dias fazem parte do ranking de datas nas quais foram registrados mais casos da Covid. Na última sexta-feira (5), foram 75.337 casos, no dia 3 foram 74.376 e no dia 4 foram 74.285.

O dia 8 de janeiro, com 84.997 infecções, ainda lidera o ranking, mas nele ocorreu uma revisão de dados do Paraná que elevou artificialmente o dado geral de casos do país.

Continuar Lendo

Brasil

Major Olímpio piora da Covid e é levado para UTI

PortalPE10 com informações G1

Publicado

O senador Major Olímpio (PSL-SP), de 58 anos, foi diagnosticado com Covid-19 e está internado desde terça-feira (2) no Hospital São Camilo, em São Paulo. Segundo a assessoria do parlamentar, ele foi levado para uma unidade de tratamento intensivo (UTI) do hospital nesta sexta (5), “por conta da gravidade do quadro”.

“A assessoria do senador Major Olimpio agradece as orações pela sua recuperação e informa que o senador não está intubado. Os médicos o transferiram para a UTI por conta da gravidade do quadro, mas não houve necessidade de intubação. Vamos continuar em oração por todos que foram acometidos por essa doença”, disse o comunicado oficial do gabinete do parlamentar.

O hospital não divulgou o estado de saúde dele, seguindo orientação da família. Através das redes sociais, entretanto, o senador disse nesta quinta-feira (4) que está “evoluindo satisfatoriamente”.

“Gostaria de agradecer todos vocês pelas mensagens de carinho e orações pela minha recuperação. Segundo o médico, meu quadro está evoluindo bem apesar da gravidade e tenho fé que em breve estou de volta ao combate! Estou internado em razão da Covid-19, mas tenho fé que em breve estarei recuperado. Minha solidariedade a todos os brasileiros neste momento difícil. Juntos vamos vencer”, afirmou o senador em suas redes sociais nesta quinta (4).

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.