Nos siga nas redes sociais

Política

Opinião:Brasil quer a velha disputa PT versus PSDB nas eleições de 2018

São Paulo colocará tucano no 2º Petista avançará com votos do NE Jair Bolsonaro é fogo de palha

Avatar

Publicado

Caso o Presidente Michel Temer não venha a disputar a sua reeleição em 2018, é muito elevada a probabilidade de que o 2º turno seja travado entre o PT e o PSDB quaisquer que sejam seus candidatos.

Desde 1989 foram 7 eleições presidenciais. Em 6 delas, as ocorridas a partir de 1994, os 2 candidatos mais votados foram do PT e do PSDB. Em duas eleições a disputa foi definida no 1º turno com vitória de Fernando Henrique.

Nas outras 4 eleições o PT derrotou o PSDB no 2º turno. Muitos irão afirmar que o que vale para o passado, depois da Lava Jato, não vale para o futuro. A resposta mais recente e eloquente a esta objeção vem da vitória eleitoral de Amazonino Mendes, ocorrida há 3 dias, em eleição suplementar para o Governo do Amazonas.

Antes de qualquer objeção vale se perguntar por que PT e PSDB vêm disputando as eleições presidenciais no Brasil. A resposta mais óbvia é que o conjunto de ativos dos 2 partidos possibilita que sejam nacionalmente competitivos.

É sempre bom lembrar que o surgimento de candidatos como Macron é mais fácil em países das dimensões da França, onde o eleitorado é pequeno e o território é do tamanho de uma Bahia, Minas Gerais ou de São Paulo. O candidato a presidente da França pode facilmente percorrer o país de trem. Em países das dimensões de Brasil, Estados Unidos ou Indonésia isto não é possível.

Quem disputa uma eleição presidencial em nosso país tem de rodar um continente inteiro. Aqueles que não entendem a nossa dimensão territorial podem procurar no Google, em imagens, a Europa dentro do Brasil. Dá e sobra. Existe hoje uma miríade de mapas que revelam de forma chocante o quão grande é o país. Se você, leitor, quiser ser candidato a presidente terá que ser recebido em cada aeroporto de cada capital de Estado por uma comitiva que o levará a eventos naquela região. Não se trata de uma tarefa fácil.

Soma-se às nossas dimensões territoriais o fato de sermos o 4º maior eleitorado mundial em comparecimento às urnas. Perdemos apenas para os 550 milhões de eleitores da Índia, os 138 milhões de norte-americanos que foram às urnas no ano passado, e os 133 milhões de indonésios que votaram em 2014.

A extensão territorial do Brasil combinada com a quantidade de eleitores cria uma formidável barreira à entrada para qualquer candidato que não seja nem do PT, nem do PSDB. Pode-se até afirmar que entrar na corrida, alguns entram, mas sucumbem na falta de um eleitorado que sirva de pilar. Foi assim com Ciro Gomes em 2002, foi assim com Marina em 2014. Ambos murcharam na mesma velocidade em que foram inflados. Não resistiram à solidez dos votos petista e tucano.

Em 2018, os pobres do Nordeste irão colocar o candidato do PT no 2º turno. O mesmo acontecerá com o candidato do PSDB que tem sua base eleitoral na classe média de São Paulo.

Os votos válidos para presidente do Estado de São Paulo se equivalem aos votos válidos da Região Nordeste. Assim, podemos resumir dizendo: o Nordeste coloca o PT no 2º turno e São Paulo coloca o PSDB. Vale repetir, não importando quem vier a ser o candidato de cada partido.

O périplo de Lula pelo Nordeste tem justamente esta finalidade manter a base unida e assegurar que aqueles que votaram para presidente no PT nas últimas 3 eleições venham a fazer o mesmo em 2018. Lula já revelou com todas as letras a sua crença de que este eleitorado votará em quem ele indicar.

Geraldo Alckmin não precisa fazer périplo algum para assegurar que São Paulo vote no PSDB. Isto ocorreu com Aécio em 2014: ele perdeu para Dilma em seu próprio estado e teve um excelente desempenho eleitoral no Estado de Alckmin.

Quanto a Bolsonaro, é fogo de palha. O Brasil não quer o novo, e ele é o novo. O Brasil quer a velha disputa PT versus PSDB.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Palmares

Eleições 2020: Agenaldo Lessa tem candidatura deferida após recurso em Palmares

Candidatura havia sido indeferida

Redação PortalPE10

Publicado

Candidato a Prefeito de Palmares Agenaldo Lessa (PSD) (Foto: Reprodução/PortalPE10)

Candidato a Prefeito de Palmares Agenaldo Lessa (PSD) (Foto: Reprodução/PortalPE10)

O candidato a prefeito de Palmares , Agenaldo Lessa (PSD), teve o registro deferido pela Justiça Eleitoral. A candidatura havia sido indeferida na semana passada e o vice-prefeito entrou com recurso para tentar reverter a decisão. Com isso, ele permanece na disputa para eleições de 2020 em Palmares.
Deferimento

No TRE-PE, após ser apreciado o processo, o registro do candidato pode ser considerado “apto” ou “inapto”. Caso o candidato preencha todas as condições de elegibilidade, isto é, não tenha nenhuma contestação e o pedido tenha sido acatado, a situação que aparecerá no sistema será “apto” e “deferido”.

Outro caso é quando o candidato aparece como apto, mas houve impugnações e a decisão é no sentido de negar o registro.
Nesse caso, a situação será “apto”, e o complemento será “indeferido com recurso”. Existe ainda o caso do candidato que apresentou o registro, e as condições de elegibilidade avaliadas foram deferidas pelo juiz; contudo, o Ministério Público Eleitoral (MPE) ou o partido recorreu da decisão. Nessa hipótese, a condição será “apto” e “deferido com recurso”.

Na situação de registro julgado como apto, ainda existem as possibilidades de “cassado com recurso” ou “cancelado com recurso”. Isso ocorre quando o candidato teve o registro cassado ou cancelado pelo partido ou por decisão judicial, porém apresentou recurso e aguarda uma nova decisão.

Continuar Lendo

Brasil

Mesários de Pernambuco receberão auxílio por aplicativo do Banco do Brasil

TREs estabelecerão valores e data de depósito do benefício

Marcelo Passos

Publicado

Urnas eletrônicas - (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)

Urnas eletrônicas – (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)

Os mesários de 23 estados nas eleições municipais de novembro deste ano receberão o auxílio-alimentação por meio do smartphone. O benefício será pago por meio do aplicativo Carteira bB, carteira digital fornecida pelo Banco do Brasil.

O pagamento por meio digital resulta da parceria entre o Banco do Brasil e os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) dos seguintes estados: Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Caberá a cada TRE definir o valor e a data de pagamento do auxílio-alimentação. As condições de recebimento podem ser verificadas no site da Justiça Eleitoral de cada estado.

Para receber o auxílio-alimentação, os mesários deverão instalar o aplicativo, disponível nos sistemas operacionais Android e iOS, e cadastrar-se na Carteira bB. Cada TRE encaminhará aos mesários um código que será usado para resgatar o benefício na data indicada. O saldo disponível aparecerá na tela inicial do aplicativo.

As eleições municipais ocorrerão em 15 de novembro, com o segundo turno em 29 do mesmo mês. Ao todo, serão preenchidos 67,8 mil cargos públicos eletivos de prefeitos e vereadores.

Lançamento
Lançada em março, a Carteira bB tem cerca de 1 milhão de clientes em todo o país. O aplicativo permite pagamentos por meio de Código QR (versão avançada do código de barras) em máquinas da bandeira Cielo. Também é possível fazer saques nos caixas eletrônicos do Banco do Brasil, recarregar celular, fazer transferências para qualquer conta bancária convencional e efetuar pagamentos com cartão virtual, usados em compras online, aplicativos de transporte e serviços de entrega.

Segundo o Banco do Brasil, o funcionamento simplificado do aplicativo atende às necessidades imediatas de serviços como os usados pelos mesários.

 

Continuar Lendo

Política

Eleições 2020: Saiba como encontrar seu local de votação

O aplicativo e-Título é outra maneira de consultar as informações.

Marcos Philipe Passos

Publicado

(Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS)

(Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) possui uma ferramenta de consulta que informa o número do título de eleitoral, da zona eleitoral e do endereço de seção da votação. Basta indicar o nome completo, a data de nascimento e o nome da mãe. Clique aqui para ter consultar seu local de votação.

O aplicativo e-Título é outra maneira de consultar as informações. Ele pode ser baixado em tablets ou smartphones que utilizam os sistemas operacionais Android ou iOS.

Além disso, você pode ligar para a Central do Eleitor de seu estado para obter informações. Em Pernambuco, o número é: (81) 3194-9400. Se você for de outro estado confira os número de cada Central neste link.

Vale ressaltar que você pode votar sem ter o título de eleitor em suas mãos. Para votar é necessário que você tenha em mãos qualquer documento oficial com foto e saiba o local de sua votação.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.