Nos siga nas redes sociais

Política

Opinião:Se o desejo de mudança existe,por que os candidatos da oposição não crescem?

Datafolha: a frágil tese da mudança

Avatar

Publicado

Por Adriano Oliveira, Doutor em Ciência Política

A inocência por vezes está presente na mente dos candidatos. Geralmente o dado estatístico serve apenas como instrumento de informação. A interpretação dele não é realizada. Mudança e continuidade são costumeiramente evocados por diversos analistas para sugerir o comportamento dos eleitores no futuro. Oferta de candidatosversus demandas da população são utilizados para fornecer as razões do desempenho dos presidenciáveis nas pesquisas.

O antropólogo Clifford Geertz afirma: “Se quiséssemos verdades caseiras, deveríamos ter ficado em casa”. Pois bem, se desejo interpretar o comportamento atual do eleitorado brasileiro preciso estar inquieto e não me deter a afirmações triviais. Preciso sair da frente do computador e analisar com criatividade especulativa os dados ofertados por diversas pesquisas.

A última pesquisa do Datafolha (06/04/2014) revela queda na intenção de votos da presidente Dilma Rousseff e estabilidade dos porcentuais dos principais candidatos da oposição. Este dado é relevante, pois 72% dos eleitores desejam que as ações do próximo presidente sejam diferentes do atual. Neste caso, indago: se o desejo de mudança existe, por que os candidatos da oposição não crescem? A tese explicativa é econômica: os candidatos oposicionistas são pouco conhecidos (oferta). Quando ficarem, crescerão.

Tal tese deve ser considerada. Mas se os candidatos da oposição tivessem crescido na última pesquisa do Datafolha, o argumento oferecido à opinião pública seria: Eduardo e Aécio cresceram porque os eleitores desejam mudança. Portanto, a tese da mudança serve para tudo. Ressalto que: 32% dos votantes consideram Lula como mais preparado para realizar as mudanças. E Lula apoia Dilma. E foi Lula, como bem evidenciam vários artigos acadêmicos, quem contribuiu para o sucesso eleitoral da atual presidente na eleição de 2010.

A recente pesquisa do Datafolha revelou que 36% aprovam a administração da presidente Dilma. Isto significa, portanto, desejo de mudança? Aparentemente sim. Mas quem deseja mudança? 51% dos eleitores aprovam o governo Dilma no Nordeste. No Sudeste, a aprovação é de 28%. Portanto, os eleitores do Sudeste estão mais propensos à mudança. Os do Nordeste, mais propensos à continuidade. Clivagem geográfica presente.

Dado importante: 42% dos eleitores que ganham até dois salários mínimos aprovam a gestão de Dilma. Com o aumento da renda, observa-se a queda da aprovação do governo petista. Clivagem econômica presente. Então, a eleição presidencial deste ano pode vir a ser caracterizada por claras clivagens geográficas e sociais. Tais clivagens garantem o sucesso eleitoral de Dilma?

Não se pode desprezar a seguinte hipótese, a qual advém da análise do comportamento dos eleitores nas disputas presidenciais de 1998 e 2006. No primeiro governo de FHC, eleitores obtiveram conquistas. E em março de 1998, a taxa de aprovação do governo FHC era de 39% – Ibope. Em março de 2006, após o escândalo do mensalão, o qual ocorreu em 2005, a aprovação de Lula era de 38% – Ibope. Em março deste ano, o Ibope revelou que a aprovação de Dilma era de 36%.

Certamente, em março de 1998, a tese da mudança sugeriu que FHC não seria reeleito. Ocorre o mesmo com Lula em 2006. Tal tese sugere, neste instante, que Dilma tende a não ser reeleita. Devemos ampliar nosso olhar analítico. FHC e Lula recuperaram popularidade e foram reeleitos em virtude de que os eleitores consideraram o passado, ou seja, as conquistas obtidas nos respectivos governos.

Neste momento, com o objetivo de construir previsões, deve-se considerar que as clivagens econômica e geográfica podem beneficiar o sucesso eleitoral de Dilma. Além do receio do futuro. Ou seja: parte dos eleitores pode temer a perda das conquistas que obtiveram na era PT e temerem o futuro caso Eduardo ou Aécio vença a eleição.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos

Kamala Harris fez o juramento e é a nova vice-presidente do país

Redação PortalPE10

Publicado

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos – (Foto: Andrew Caballero-Reynolds/AFP)

O democrata Joe Biden tomou posse, nesta quarta-feira (20), como 46º presidente dos Estados Unidos, em cerimônia marcada pela pandemia e ausência de seu antecessor Donald Trump, que deixou Washington poucas horas antes para a Flórida.

Biden, de 78 anos, prestou juramento às 11h50 (hora de Washington; 13h50 em Brasília) perante o presidente da Suprema Corte, John Roberts, em cerimônia solene diante do Capitólio.

O ato foi marcado pela pandemia e pelas fortes medidas de segurança após a tomada do prédio do Congresso no último dia 6 de janeiro.

“Hoje é um dia de história e esperança. Hoje é o dia dos Estados Unidos. A democracia prevaleceu”, disse Biden em seu discurso de posse, no qual pediu a “unidade” do país e prometeu ser o presidente de todos os americanos.

No discurso, o democrata ainda afirmou que irá defender a constituição, a democraria e os Estados Unidos. “Darei a vocês tudo o que posso a serviço do povo. Juntos, construiremos uma história de luz e não de sombras, de decência, de dignidade e de amor”, disse Biden.

Os Estados Unidos enfrentam “a ascensão do extremismo político, a supremacia branca, o terrorismo doméstico, que é algo que devemos enfrentar e que vamos derrotar”, disse Biden

Pouco antes do juramento de Biden, Kamala Harris foi empossada como a primeira vice-presidente dos Estados Unidos, tornando-se também a primeira pessoa negra de origem indiana a ocupar o cargo.

Harris, de 56 anos, prestou juramento com uma mão na Bíblia perante a progressista juíza da Suprema Corte Gloria Sotomayor, que foi a primeira latina a ser eleita magistrada do tribunal superior.

Kamala Harris, vice-presidente dos Estados Unidos (Foto: Saul Loeb/AFP)

Entre os juramentos, houve a apresentação das cantoras Lady Gaga, que cantou o hino dos Estados Unidos, e Jennifer Lopez.

*Com informações AFP

Continuar Lendo

Política

Eleitor que não votou no primeiro turno tem até quinta-feira para justificar voto

Justificativa para não votar deve ser feita pelo aplicativo e-Título. Para quem faltou no segundo turno, prazo vence em 28 de janeiro.

PortalPE10 com informações G1

Publicado

(Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS)

(Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS)

Os eleitores que não votaram no primeiro turno das Eleições 2020 têm até 14 de janeiro para justificar a ausência para a Justiça Eleitoral.

Neste ano, por conta da pandemia, a justificativa deve ser feita pelo aplicativo e-Título ou por meio do Sistema Justifica. No caso de ausência no segundo turno, o prazo expira em 28 de janeiro.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), caso o eleitor não tenha smartphone ou acesso à internet, o processo pode ser feito, excepcionalmente, em qualquer seção eleitoral.

É possível justificar ausência em qualquer local de votação do país no dia da eleição e em postos da Justiça Eleitoral até 60 dias após cada turno. Caso o eleitor esteja fora do país, o cidadão tem até 30 dias contados da data de retorno ao Brasil.

A justificativa é válida somente para o turno ao qual o eleitor não compareceu. Assim, se ele deixou de votar no 1º e no 2º turno, terá que justificar a ausência em ambos, separadamente.

Prazos para justificativa

1º turno: 14 de janeiro.
2º turno: 28 de janeiro.
Download do e-Título
Android
iOS

Multa e consequências

O eleitor que não justificar a ausência dentro do prazo estipulado pelo TSE terá que pagar multa para regularizar a situação. A multa é de R$ 3,50 por turno.

Enquanto estiver em débito com a Justiça Eleitoral, ele não pode, por exemplo, tirar ou renovar passaporte, receber salário ou proventos de função em emprego público, prestar concurso público e renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo – entre outras consequências.

Aquele eleitor que não votar por três eleições seguidas, não justificar nem quitar a multa devida terá sua inscrição cancelada. A regra não vale para eleitores que não são obrigados a votar, como analfabetos, maiores de 16 e menores de 18, e maiores de 70 anos.

Continuar Lendo

Entretenimento

Carlos Villagrán, o “Kiko” de Chaves, se candidata a governador no México

No próximo dia 6 de junho de 2021, o México realiza eleições que definiram uma série de cargos de nível federal e local.

Redação PortalPE10

Publicado

Carlos Villagrán (Foto: Reprodução)

O ator Carlos Villagrán, mais conhecido como o Kiko, do seriado Chaves, anunciou sua tentativa de entrar no mundo da política, tornando-se pré-candidato a governador e também à prefeitura em Querétaro, no México.

No próximo dia 6 de junho de 2021, o México realiza eleições que definiram uma série de cargos de nível federal e local, variando de quantidade de acordo com cada estado. O Partido Querétaro Independiente, ao qual Villagrán se filiou, deve decidir os candidatos finais até o próximo dia 8 de fevereiro.

“Depois de 50 anos fazendo as pessoas rirem, me encontro em outra plataforma, que me traz uma tremenda honra”, afirmou o ator durante coletiva de imprensa, segundo edição local da Forbes.

Em entrevista ao site ADN Informativo no último dia 8 de janeiro Connie Herrera Martínez, presidente do partido, comentou a candidatura de Kiko.

“Alguns tem lhe criticado muito por ser um ator, porém o homem é um extraordinário estudioso, comprometido, e sua profissão não implica que não tenha um conhecimento sólido a respeito das necessidades”, avaliou.

Recentemente, no último mês de abril, Carlos Villagrán chamou atenção por um discurso conspiracionista dado em entrevista à TV mexicana, em que chegou a alegar que “a covid-19 não existe”.

*Com informações Exame.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.