Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

PF divulga nomes e penas dos 13 condenados pela Justiça na Operação Cofre Fácil

Penas variam entre cinco e 26 anos de reclusão. Criminosos realizaram mais de 20 assaltos a agências dos Correios em PE

Avatar

Publicado

A Polícia Federal divulgou na manhã desta quinta-feira (29) as penas estabelecidas pela 4ª e 13ª Varas da Justiça Federal as 13 pessoas que foram presas durante a Operação Cofre Fácil. A operação que foi concluída em fevereiro de 2013 desarticulou uma quadrilha especializada em assaltos a agências dos Correios em todo o Estado. Ao todo, foram mais de 20 assaltos no período de um ano.

Durante a operação, foram cumpridos mandados de prisão preventiva que resultaram na prisão de Roberto França de Souza Ramalho, de 24 anos, que foi condenado a oito anos de reclusão; Jonath Vidal da Silva, de 26 anos, que foi condenado a sete anos de reclusão; Rafael Bezerra da Silva, de 21 anos, que já possuía antecedentes criminais e foi condenado a 12 anos de reclusão.

 

Por meio de denúncias repassadas pela Polícia Federal, policiais militares do 18º Batalhão prenderam dois suspeitos que estavam planejando assaltar a agência dos Correios de Ipojuca. Emanuel da Mota Silveira, de 32 anos, que possuía antecedentes, foi condenado a 14 anos de reclusão; Fernando Silvestre Tavares de Lima, de 27 anos, foi condenado a oito anos de reclusão.

 

 

A Polícia Militar prendeu três homens que assaltaram a agência dos Correios de Abreu e Lima e fizeram várias pessoas de reféns. Os homens também fizeram as vítimas de escudo humano e atiraram na polícia. Rodrigo Cabral da Silva, de 26 anos, que possuía antecedentes criminais, foi condenado a 26 anos de reclusão; Maviael Barbosa da Silva, de 31 anos, que também possuía antecedentes, foi condenado a 26 anos de reclusão; Marcos Antonio Barbosa, 26, que possuía antecedentes, também foi condenado a 26 anos de reclusão.

 

Em Sanharó, a polícia conseguiu prender cinco homens que invadiram a agência dos Correios do município, roubaram a arma do vigilante e fizeram várias pessoas reféns. Um dos criminosos, que estava dando cobertura do lado de fora da agência, fugiu atirando em direção aos policiais.

Carlos Rafael Ramos Vital de Souza, de 23 anos, foi condenado a cinco anos de reclusão; Daniel Vitor Cunha Rego, 22, também foi condenado a cinco anos de reclusão; Leandro Márcio Silva de Oliveira, 22, possuía antecedentes criminais e foi condenado a cinco anos de reclusão; Alexandro Ferreira Dourado Júnior, de 19 anos, possuía antecedentes criminais e foi condenado a seis anos de reclusão; Rilson da Silva Souza, de 18 anos, que trocou tiros com os militares, foi condenado a 20 anos de reclusão.

Os crimes praticados pela quadrilha variaram de acordo com o grau de participação e envolvimento nos delitos. As penas de reclusão foram maiores para os assaltantes que atiraram contra o efetivo policial, que utilizaram arma de fogo, que fizeram vítimas reféns ou mentiram para a Justiça, não colaborando para elucidação dos fatos. Essas penas representam apenas a condenação de um julgamento. Mas como a quadrilha realizou assaltos em diversas localidades, as penalidades ainda podem ser maiores quando os outros crimes forem julgados.(via Folha PE)


 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Brinquedo trava e deixa pessoas de cabeça para baixo a 18m de altura

Os usuários ficaram presos, nessa posição, por quase 10 minutos, até que o brinquedo voltasse a funcionar.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução)

Uma falha em um brinquedo de parque de diversões na Praia Grande, litoral de São Paulo, fez com que diversas pessoas ficassem presas de cabeça para baixo por quase 10 minutos. Segundo oYupie! Park, responsável pelo brinquedo, uma oscilação de energia foi a causa do problema.

O brinquedo, que se chama Kamikaze, eleva os usuários a uma altura de até 18 metros de altura, realizando diversos giros. Durante um dos passeios na noite de segunda-feira (25/1), a pane fez com que a atração parasse justamente quando parte as pessoas estavam em um dos pontos mais altos da oscilação, de cabeça para baixo.

Os usuários ficaram presos, nessa posição, por quase 10 minutos, até que o brinquedo voltasse a funcionar. Bombeiros que estavam de prontidão, então, ajudaram as pessoas a sair do equipamento. Ninguém se machucou.

*Com informações Correio Braziliense

Continuar Lendo

Brasil

Facebook terá que indenizar usuária brasileira que teve conta hackeada

Em sua defesa, o Facebook afirmou que a criação e o cuidado com a senha são de responsabilidade do usuário, e que não houve falha na prestação do serviço, não existindo dano a ser indenizado.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Tecnologia PT)

O Facebook Brasil foi condenado a indenizar uma usuária que teve sua conta no Instagram — rede social que pertence à empresa — invadida por hackers. A juíza do 6º Juizado Especial Cível de Brasília, responsável pelo processo, entendeu que houve falha na prestação do serviço, caracterizada pela exposição dos dados pessoais.

Segundo a vítima, o perfil havia sido criado em 2015 para divulgar os produtos que comercializa. Em agosto do ano passado, porém, a conta foi invadida por terceiros, que alteraram a foto, apagaram as postagens e impediram o acesso da antiga dona, que entrou em contato com a plataforma. Como resposta, a conta foi excluída, mas a usuária afirma ainda que, após o incidente, vários clientes cancelaram as encomendas, uma vez que acreditaram que se tratava de um perfil clandestino. Ela deu início, então, ao trâmite judicial, pedindo que a empresa fosse condenada a reativar o conteúdo integral do perfil, além do pagamento dos danos sofridos.

Em sua defesa, o Facebook afirmou que a criação e o cuidado com a senha são de responsabilidade do usuário, e que não houve falha na prestação do serviço, não existindo dano a ser indenizado.

A juíza responsável pelo caso, no entanto, destacou que houve negligência da empresa com a segurança das informações dos seus consumidores. “O sofrimento e angústia decorrente da usurpação de sua conta na rede social por terceiros, prejudicando seu meio de sustento e divulgação publicitária de sua empresa é evidente, sendo passível de violação dos direitos da personalidade, revelando-se suficientes para imputar à requerida o dever de indenizar o dano moral causado”, concluiu.

O Facebook foi condenado a pagar à autora a quantia de R$ 3 mil por danos morais. Além disso, foi determinado também o restabelecimento da conta hackeada nas mesmas condições em que se encontrava antes da invasão. A empresa ainda pode recorrer à sentença.

*Com informações Correio Braziliense

Continuar Lendo

Cotidiano

Para virar ‘alienígena’, francês faz cirurgia para remover parte do lábio superior

Nessa segunda-feira, 25, o francês novamente se tornou assunto, ao compartilhar um “meme” com suas versões de perfil em quatro redes sociais diferentes.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução/Instagram)

Em sua busca incessante por se tornar uma criatura de “outro mundo”, um francês viralizou nas redes sociais, recentemente, ao realizar um procedimento cirúrgico para a remoção de parte do lábio superior. Em seu perfil do Instagram, Anthony Loffredo conta que seu objetivo é se tornar o que ele classificou como “alienígena preto”.

Esta, aliás, não é a primeira cirurgia de transformação corporal que o rapaz realizou. Ao longo dos anos, Loffredo já removeu as orelhas e a ponta do nariz através de procedimentos estéticos, compartilhando todos os resultados com seus seguidores.

Nessa segunda-feira, 25, o francês novamente se tornou assunto, ao compartilhar um “meme” com suas versões de perfil em quatro redes sociais diferentes.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Segundo o tabloide britânico “Daily Star”, o rapaz de 32 anos ressaltou que ainda não está satisfeito com as modificações. Em uma conversa em vídeo com o portal, ele disse que seu próximo projeto é substituir a pele por metal.

*Com informações GMC Online.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.