Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Polícia Civil conclui que médico Artur Eugênio foi morto por disputa profissional

Para delegado, vítima era ‘arquivo ambulante’ de erros do mandante.

Avatar

Publicado

Delegado Guilherme Caraciolo (Foto: Moema França/G1)

A Polícia Civil apresentou, na manhã desta terça-feira (29),  a conclusão do inquérito da morte do médico Artur Eugênio de Azevedo Pereira, assassinado em maio deste ano. Cinco pessoas foram indiciadas por homicídio, sequestro, roubo, associação criminosa, estelionato e comunicação falsa de crime. Com imagens de câmeras dos hospitais onde Eugênio trabalhava, além de depoimentos de colegas da profissão, a polícia confirmou que o crime foi motivado por disputa profissional.

Segundo o delegado Guilherme Caraciolo, que liderou a investigação desde o dia da morte do médico-cirurgião, o mandante do crime foi Cláudio Amaro Gomes. “Um dia depois do crime nós já sabíamos que o filho dele estava envolvido, por causa das imagens do Hospital do Câncer. A vítima era um arquivo ambulante das coisas erradas que o Cláudio Amaro tinha no decorrer da vida profissional. Eles dois tinham uma sociedade e trabalhavam juntos em alguns hospitais. A vítima verificou vários procedimentos irregulares e chegou a relatar para os amigos que estava rompendo a sociedade”, explica Caraciolo.

Resultado das investigações foi apresentado em coletiva de imprensa nesta terça (Foto: Moema França/G1)

“Duas semanas antes da morte, uma testemunha se encontrou com a vítima e ela disse que estava sendo perseguida por Cláudio Amaro no Hospital das Clínicas e que pensava em processá-lo por assédio moral. Ele [Artur] era um médico excepcional, com doutorado em cirurgia torácica e obtinha notas consideradas insuficientes quando era avaliado por Cláudio Amaro. Ele foi reprovado no estágio probatório por causa disso. Outras avaliações, no entanto, mostravam que Artur era muito bem visto pela maioria dos médicos nos hospitais por onde passava”, analisa Caraciolo.

Segundo a investigação, o médico Cláudio Amaro recebia um percentual dos convênios se o paciente precisasse de internação na UTI e Artur não concordava. “A empresa era de Claudio Amaro e ele não conseguia passar muito tempo com o mesmo sócio, sempre tinha problemas. Ele ganhava dinheiro porque os outros faziam as cirurgias, se aproveitava do potencial dos estudantes e isso irritou Artur”, aponta.

Segundo o delegado Guilherme Caraciolo, a primeira pessoa a ser investigada foi Claudio Amaro Gomes Júnior. “No mesmo dia do assassinato, ele fez um boletim de ocorrência na Central de Flagrantes dizendo que o carro que havia alugado foi roubado, mas o tempo todo ele estava com o veículo no assassinato. Ele deu suporte enquanto os outros dois suspeitos executaram o médico. Como eles alugaram o carro sem intenção de devolver, também foram autuados por estelionato”, explica.

Quem tiver informações sobre o caso pode telefonar para (81) 3421-9595, que atende à Região Metropolitana do Recife e à Zona da Mata Norte, ou (81) 3719-4545 (moradores do interior do estado). Também é possível repassar informações através do site do Disque-Denúncia, que permite envio de fotos e vídeos. O serviço funciona 24h, todos os dias da semana. O anonimato é garantido.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Brinquedo trava e deixa pessoas de cabeça para baixo a 18m de altura

Os usuários ficaram presos, nessa posição, por quase 10 minutos, até que o brinquedo voltasse a funcionar.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução)

Uma falha em um brinquedo de parque de diversões na Praia Grande, litoral de São Paulo, fez com que diversas pessoas ficassem presas de cabeça para baixo por quase 10 minutos. Segundo oYupie! Park, responsável pelo brinquedo, uma oscilação de energia foi a causa do problema.

O brinquedo, que se chama Kamikaze, eleva os usuários a uma altura de até 18 metros de altura, realizando diversos giros. Durante um dos passeios na noite de segunda-feira (25/1), a pane fez com que a atração parasse justamente quando parte as pessoas estavam em um dos pontos mais altos da oscilação, de cabeça para baixo.

Os usuários ficaram presos, nessa posição, por quase 10 minutos, até que o brinquedo voltasse a funcionar. Bombeiros que estavam de prontidão, então, ajudaram as pessoas a sair do equipamento. Ninguém se machucou.

*Com informações Correio Braziliense

Continuar Lendo

Brasil

Facebook terá que indenizar usuária brasileira que teve conta hackeada

Em sua defesa, o Facebook afirmou que a criação e o cuidado com a senha são de responsabilidade do usuário, e que não houve falha na prestação do serviço, não existindo dano a ser indenizado.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Tecnologia PT)

O Facebook Brasil foi condenado a indenizar uma usuária que teve sua conta no Instagram — rede social que pertence à empresa — invadida por hackers. A juíza do 6º Juizado Especial Cível de Brasília, responsável pelo processo, entendeu que houve falha na prestação do serviço, caracterizada pela exposição dos dados pessoais.

Segundo a vítima, o perfil havia sido criado em 2015 para divulgar os produtos que comercializa. Em agosto do ano passado, porém, a conta foi invadida por terceiros, que alteraram a foto, apagaram as postagens e impediram o acesso da antiga dona, que entrou em contato com a plataforma. Como resposta, a conta foi excluída, mas a usuária afirma ainda que, após o incidente, vários clientes cancelaram as encomendas, uma vez que acreditaram que se tratava de um perfil clandestino. Ela deu início, então, ao trâmite judicial, pedindo que a empresa fosse condenada a reativar o conteúdo integral do perfil, além do pagamento dos danos sofridos.

Em sua defesa, o Facebook afirmou que a criação e o cuidado com a senha são de responsabilidade do usuário, e que não houve falha na prestação do serviço, não existindo dano a ser indenizado.

A juíza responsável pelo caso, no entanto, destacou que houve negligência da empresa com a segurança das informações dos seus consumidores. “O sofrimento e angústia decorrente da usurpação de sua conta na rede social por terceiros, prejudicando seu meio de sustento e divulgação publicitária de sua empresa é evidente, sendo passível de violação dos direitos da personalidade, revelando-se suficientes para imputar à requerida o dever de indenizar o dano moral causado”, concluiu.

O Facebook foi condenado a pagar à autora a quantia de R$ 3 mil por danos morais. Além disso, foi determinado também o restabelecimento da conta hackeada nas mesmas condições em que se encontrava antes da invasão. A empresa ainda pode recorrer à sentença.

*Com informações Correio Braziliense

Continuar Lendo

Cotidiano

Para virar ‘alienígena’, francês faz cirurgia para remover parte do lábio superior

Nessa segunda-feira, 25, o francês novamente se tornou assunto, ao compartilhar um “meme” com suas versões de perfil em quatro redes sociais diferentes.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução/Instagram)

Em sua busca incessante por se tornar uma criatura de “outro mundo”, um francês viralizou nas redes sociais, recentemente, ao realizar um procedimento cirúrgico para a remoção de parte do lábio superior. Em seu perfil do Instagram, Anthony Loffredo conta que seu objetivo é se tornar o que ele classificou como “alienígena preto”.

Esta, aliás, não é a primeira cirurgia de transformação corporal que o rapaz realizou. Ao longo dos anos, Loffredo já removeu as orelhas e a ponta do nariz através de procedimentos estéticos, compartilhando todos os resultados com seus seguidores.

Nessa segunda-feira, 25, o francês novamente se tornou assunto, ao compartilhar um “meme” com suas versões de perfil em quatro redes sociais diferentes.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Segundo o tabloide britânico “Daily Star”, o rapaz de 32 anos ressaltou que ainda não está satisfeito com as modificações. Em uma conversa em vídeo com o portal, ele disse que seu próximo projeto é substituir a pele por metal.

*Com informações GMC Online.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.