Nos siga nas redes sociais

Esportes

R. Caio é expulso, mas Tricolor joga bem e fica no 0 a 0 com o Rosario

Apesar da desvantagem numérica, o São Paulo iniciou o segundo tempo de maneira ousada

Avatar

Publicado


O São Paulo pode não ter feito um jogo brilhante, mas mostrou novamente que seus rivais não terão vida fácil para vencê-lo nesta temporada. Nesta quinta-feira, o time do técnico Diego Aguirre teve de jogar metade da partida com um homem a menos por conta da expulsão de Rodrigo Caio, contudo, mesmo em desvantagem numérica, conseguiu sair de campo com o empate em 0 a 0 contra o Rosario Central, no Gigante de Arroyito, em Rosario, na Argentina, pelo jogo de ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

Diferente das últimas partidas, o São Paulo entrou em campo com três zagueiros nesta quinta-feira, porém, os planos do técnico Diego Aguirre tiveram de ser rapidamente alterados por conta da lesão de Reinaldo. Sem nenhum outro lateral-esquerdo como opção, Liziero teve de ser deslocado, e Lucas Fernandes acabou entrando no lugar do camisa 14.

A situação piorou com a expulsão de Rodrigo Caio no fim do primeiro tempo, fato que forçou o Tricolor a recorrer para a linha de quatro jogadores na defesa. Apenas na reta final, aos 36 minutos, o São Paulo voltou a ter igualdade numérica com o cartão vermelho dado a Carrizo por entrada dura em Militão.

Com o empate sem gols, o São Paulo se coloca em boa posição para o jogo de volta da primeira fase da Sul-Americana, marcado para o próximo dia 9 de maio, no estádio do Morumbi. Uma vitória simples garante o Tricolor vivo na disputa pelo bicampeonato do torneio em que é o clube que mais o disputou (11 vezes).

O jogo – O São Paulo entrou em campo nesta quinta-feira com uma nova ideia de jogo e esperançoso em deixar para trás os tropeços recentes no Paulistão e na Copa do Brasil. Contudo, logo aos 15 minutos de partida, Reinaldo sentiu e teve de ser substituído por Lucas Fernandes, já que não havia nenhum outro lateral-esquerdo à disposição no banco de reservas.

Contando com a grande pressão de sua torcida no Gigante de Arroyito, o Rosario Central foi quem ameaçou mais no início do jogo, contudo, pecava nas conclusões. Aos 6 minutos, porém, o time da casa por pouco não abriu o placar em forte chute de Lovera, em cobrança de falta, mas o goleiro Sidão estava ligado para fazer boa defesa. Dois minutos depois foi a vez de o Tricolor responder com Nenê, que ficou com a bola dentro da área e finalizou rasteiro, cruzado, forçando ótima intervenção de Ledesma.

Se já era difícil conquistar um bom resultado com todos os 11 jogadores em campo, o São Paulo viu sua situação piorar aos 35 minutos, quando Rodrigo Caio subiu para disputar a bola com Marco Rubén e acabou atingindo o rosto do adversário com o braço. Demasiadamente rigoroso, o árbitro Victor Carrillo optou por expulsar o zagueiro tricolor, gerando indignação de todo o time, incluindo o banco de reservas – o preparador físico Fernando Pignatares também teve de se retirar por reclamação.

Sem seu pilar na defesa, os comandados de Diego Aguirre foram forçados a mudar o esquema tático nos últimos dez minutos da etapa inicial, abandonando o 3-5-2. Éder Militão assumiu o lugar de Rodrigo Caio, e Régis teve de ser recuado para a lateral-direita, adotando uma postura mais defensiva.

Apesar da desvantagem numérica, o São Paulo iniciou o segundo tempo de maneira ousada. Marcando presença no ataque e tentando manter a bola longe de sua área, os visitantes quase surpreenderam o Rosario Central aos cinco minutos, quando Nenê recebeu a bola após a cobrança de lateral de Régis e girou batendo, mandando rente à trave esquerda do goleiro Ledesma. Já aos 12 minutos foi a vez de Liziero receber com folga na entrada da área e soltar a bomba, mas a bola acabou saindo pouco acima do travessão. Faltava aos tricolores calibrarem um pouco mais seus arremates.

O Rosario Central só chegou com perigo na etapa complementar pela primeira vez aos 15 minutos. Em cruzamento de Gomez pela direita, Marco Rubén se antecipou e cabeçou firme, exigindo defesa em dois tempos de Sidão. Pouco depois, no entanto, o São Paulo levou ainda mais perigo novamente com Nenê, que chutou no ângulo esquerdo do goleiro rival e explodiu o travessão.

Aos 26 minutos, o maior susto do São Paulo: Sidão saiu para pegar a bola e foi tocado no ar pelo atacante Zampedri. A bola sobrou para Marco Rubén, que completou para o gol, entretanto, o árbitro Victor Carrillo marcou falta no goleiro tricolor. Na reta final, Carrizo, do Rosario Central, acabou recebendo o segundo cartão amarelo por forte entrada em Militão e recolocou o Tricolor em igualdade numérica. O time de Aguirre, no entanto, não conseguiu marcar o tão sonhado gol fora de casa e teve de conter a pressão dos anfitriões nos minutos derradeiros para garantir o empate sem gols contra os Canallas.

FICHA TÉCNICA

ROSARIO CENTRAL (ARG) 0 X 0 SÃO PAULO

Local: estádio Gigante de Arroyito, em Rosário (Argentina)

Data: 12 de abril de 2018, quinta-feira

Horário: 21h30 (de Brasília)

Árbitro: Victor Carrillo (PER)

Assistentes: Michael Orué (PER) e Stephen Atoche (PER)

Cartões amarelos: Régis (São Paulo); Parot, González, Carrizo e Marco Rubén (Rosario Central)

Cartão vermelho: Rodrigo Caio (São Paulo); Carrizo (Rosario Central)

Rosario Central: Ledesma; Gomez, Tobio, Cabezas e Parot; Lovera (Pereyra), Lopez, González (Fernández) e Carrizo; Zampedri e Marco Rubén (Herrera).

Técnico: Leonardo Fernández

São Paulo: Sidão; Militão, Rodigo Caio e Arboleda; Régis (Bruno Alves), Jucilei, Petros, Liziero e Reinaldo (Lucas Fernandes); Nenê e Tréllez (Valdívia).

Técnico: Diego Aguirre

 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Corpo de Maradona é enterrado em cemitério na periferia de Buenos Aires

Ídolo argentino foi enterrado no Jardim da Paz, em Bellavista, onde estão seus pais.

PortalPE10 com informações G1

Publicado

Parentes e amigos próximos carregam caixão de Diego Maradona antes de cerimônia restrita e enterro no cemitério Jardim da Paz, em Bella Vista, na Argentina, na quinta-feira (26) — Foto: Ronaldo Schemidt/AFP

O corpo do ídolo argentino Diego Maradona foi sepultado por volta das 20 horas desta quinta-feira (26) no Jardim da Paz, em Bella Vista, mesmo cemitério na periferia de Buenos Aires onde seus pais estão enterrados.

O acesso ao cemitério foi restrito a poucas pessoas pela família de Maradona. A entrada da imprensa foi proibida.

Um cortejo, acompanhado por escolta policial, levou o caixão da Casa Rosada, onde aconteceu o velório, até o cemitério, um percurso de 47 quilômetros.

Enquanto o carro fúnebre e sua escolta seguiam por uma pista exclusiva, ao lado centenas de pessoas acompanhavam o trajeto em uma caravana de motos. Pessoas também se amontoavam nas laterais ou até se arriscavam em pé nas muretas entre as pistas, além de ocupar passarelas em alguns trechos.

O enterro atrasou após seu velório ser prorrogado, para que mais pessoas tivessem tempo de se despedir do ex-jogador da seleção argentina.

Uma imensa multidão esteve na Casa Rosada, sede do governo da Argentina, e o fim oficial do velório, previsto para às 16 horas, foi adiado para às 19 horas. Mas um enorme tumulto fez com que ele fosse encerrado às 17 horas.

 

Continuar Lendo

Brasil

Um dia vamos bater bola no céu, diz Pelé sobre morte de Maradona

PortalPE10 com informações UOL

Publicado


Pelé se manifestou em publicação nas redes sociais sobre o falecimento de Maradona, ocorrido nesta quarta-feira, pouco depois da confirmação do falecimento. O Rei do Futebol declarou ter perdido um “grande amigo”, afirmando esperar que “possam jogar bola juntos no céu”.

“Que notícia triste. Eu perdi um grande amigo e o mundo perdeu uma lenda. Ainda há muito a ser dito, mas por agora, que Deus dê força para os familiares. Um dia, eu espero que possamos jogar bola juntos no céu”, escreveu Pelé, em publicação no Instagram com foto de Maradona com a taça da Copa do Mundo de 1986, vencida pela seleção argentina.

Maradona ficou internado por cerca de dez dias no início de novembro, onde se detectou uma hematoma no cérebro, do qual foi operado com êxito. Depois disso, vinha se recuperando na sua residência, em Tigre, na região metropolitana de Buenos Aires, faleceu depois de sofrer uma parada cardíaca, nesta quarta. Ele tinha 60 anos.

Maradona teve ao longo da sua vida uma relação de amor e ódio com Pelé. Nos últimos anos, no entanto, os dois selaram a paz e até trocaram afagos em público. No centro do embate entre o argentino e o Rei do Futebol esteve principalmente a disputa em quem foi o maior jogador de todos os tempos. Apesar de para a ampla maioria dos fãs do futebol de todo o mundo não haver dúvidas de que não existiu ninguém maior do que Pelé, na Argentina muitos colocam Maradona como o melhor jogador da história.

No último dia 23 de outubro, Maradona deu os parabéns a Pelé pelo seu aniversário em uma mensagem publicada nas redes sociais. Pelé retribuiu a gentileza no dia 30, quando Maradona completou 60 anos, e publicou uma foto de ambos antes da final do Copa de 1990, na Itália com a seguinte legenda: “Meu grande amigo, eu vou sempre te aplaudir. Eu vou sempre torcer por você. Que a sua jornada seja longa e que você continue sempre sorrindo, e me fazendo sorrir também!”

 

Continuar Lendo

Esportes

Morre aos 69 anos o jornalista Fernando Vanucci

Profissional teve passagem pela Globo e cobriu seis Copas do Mundo

PortalPE10 com informações UOL

Publicado

Morreu nesta terça-feira em São Paulo, aos 69 anos, o jornalista Fernando Vanucci. Locutor, apresentador e comentarista esportivo, Vanucci deixa quatro filhos. A causa da morte não foi divulgada. Velório e sepultamento devem ocorrer no Rio de Janeiro.

O jornalista passou mal pela manhã, socorrido pela empregada e levado ao Pronto Socorro Central de Barueri, na Grande São Paulo. No entanto, não resistiu.

Vanucci havia sofrido um infarto em 2019 e colocado um marca-passo. Desde então, tinha a saúde comprometida.

Fernando Vanucci trabalhou na Globo Minas entre 1973 e 1977. Em seguida, passou a trabalhar no Rio de Janeiro, apresentando diversos programas, como Globo Esporte, RJTV, Esporte Espetacular, Jornal Nacional, Jornal Hoje e Fantástico.

Na passagem pela Globo, Fernando Vanucci cobriu seis Copas do Mundo: 1978, 1982, 1986, 1990, 1994 e 1998. Ainda ficou marcado pela criação do bordão “Alô, você!”.

Ele também trabalhou em TV Bandeirantes, TV Record, Rede TV e Rede Brasil de Televisão.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.