Nos siga nas redes sociais

Cotidiano

Setor gesseiro do Araripe teme chegada da Transnordestina

Empresários acreditam que ferrovia pode falir pequenas indústrias

Avatar

Publicado

A Ferrovia Transnordestina vai cortar 34 municípios de Pernambuco. Os atrasos nas obras, que tinham previsão de ser concluídas em 2010 e foram adiadas para 2016, são apontados como entraves para o desenvolvimento do estado, em especial do polo gesseiro da região do Sertão do Araripe. Porém, se a vinda da ferrovia de Araripina, no Sertão, até o Porto de Suape, no Litoral Sul, é vista com otimismo pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Márcio Stefanni, os empresários do setor gesseiro encaram com preocupação a chegada dos trens – mesmo que daqui a alguns anos, devido aos atrasos.

Atualmente os trilhos chegam até Parnamirim e os canteiros de obras estão abandonados, com a vegetação começando a tomar conta do entorno em alguns pontos. Mesmo assim, no Araripe, as obras da Transnordestina são encaradas como um sinal de alerta. A expectativa de vencer o gargalo do transporte vem sendo substituída pela desconfiança e preocupação de que os trens sirvam para levar a matéria-prima embora, prejudicando mais que ajudando as indústrias da região.

Atualmente, a região é a principal produtora de gesso do país, concentrando aproximadamente 80% das minas brasileiras. De acordo com informações do Sebrae, o polo conta com aproximadamente 700 empresas, distribuídas pelos municípios de Araripina, Trindade, Ipubi, Ouricuri e Bodocó, gerando 12 mil empregos diretos. O Sindicato da Indústria do Gesso do Estado de Pernambuco (Sindusgesso) é uma das vozes alarmadas. “A ferrovia hoje é uma ameaça. Pode transformar isso aqui em um grande buraco. Podem vir buscar gipsita para produzir o gesso nas capitais”, avalia o diretor, Hildelberto Alencar.

A preocupação, explica, está ligada à dificuldade enfrentada atualmente no polo, relacionada à matriz energética para transformar a gipsita extraída pelas mineradoras em gesso e, depois, em placas e outros produtos. “A gente percebe que a ferrovia chega tarde. Não é que ela não possa contribuir, mas veio com uma visão deslocada do gesso e não vai chegar com a compensação de matriz energética e matéria-prima do setor. Ela é importante, mas não como era no início, que era a solução dos nossos problemas”, aponta Alencar.

As últimas fábricas de grande porte do setor gesseiro, explica, não foram mais instaladas no Sertão do Araripe, mas sim em estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. “As grandes indústrias não podem esperar a ferrovia ficar pronta. A região não consome gesso, quem consome gesso são os grandes centros. Hoje, 95% do setor [no Araripe] dependem da lenha [como matriz energética], o que não é de forma alguma sustentável”, explica Alencar, que também é empresário e não instalou suas últimas fábricas na região do Araripe.

Trabalhando há 20 anos no setor gesseiro, Assis Alencar Júnior é dono de uma calcinadora – fábrica responsável por transformar a gipsita em gesso através de queima – em Ouricuri e admite que não consegue enxergar benefícios imediatos com a ferrovia. “Eu pego a gipsita in natura, levo para minha fábrica, beneficio e transformo em gesso. A nossa dificuldade aqui é a matriz energética, não tem gás [a um preço competitivo]. Pode haver essa logística para transportar esse minério para ser beneficiado em outro lugar. Isso gera uma grande preocupação”, aponta.

A Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) explicou, por meio de nota, que leva o gás natural até a região do Araripe em cilindros especiais acondicionados em carretas apropriadas. O gasoduto atualmente vai até a cidade de Caruaru e a companhia afirma que se prepara para licitar a construção de um novo trecho, chegando até Belo Jardim e Arcoverde, ambas no Sertão. Há também um projeto para a estação de Gás Natural Liquefeito (GNL), que permitiria levar o gás natural para Araripina na forma líquida, mas não há informações sobre uma possível ampliação do gasoduto até a cidade.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do estado, Márcio Stefanni, discorda da avaliação dos empresários. Além de escoar produtos do Nordeste, como o minério de ferro e a soja do Piauí, os grãos da Bahia e o gesso do Araripe, no Sertão pernambucano, a ferrovia pode auxiliar na questão da matriz energética ao levar de trem o gás liquefeito. “O estado tem procurado a iniciativa privada para colocar um terminal de regaseificação em Suape. O trem que pode levar a gispsita, pode levar gás. O que é caro de caminhão, se torna mais barato levado no trem. O trem pode levar essa matriz energética”, avalia o secretário.

Mas a outra desconfiança do setor está justamente na viabilidade real do transporte. O frete através de caminhões da região do Araripe até Suape custa, em média, R$ 85 por tonelada. Com a Transnordestina, os produtores vão ter que pagar o frete de pequena distância até a ferrovia, o transporte ferroviário, além do transporte seguinte para chegar aos produtores – fora o serviço de carregar e descarregar os veículos, que é chamado de tombo de redespacho. “Então, a gente tem três tombos de redespacho. Cada tombo desse você não faz por menos de R$ 20. Para ser viável, a ferrovia teria que custar R$ 5, e a gente sabe que não vai. Deve ser em torno de R$ 50”, calcula Alencar.

 

Para evitar que as indústrias deixem o polo gesseiro, o secretário lembra que os empresários têm incentivo do governo, com cotas menores de ICMS. “Acho que quem resolve essas questões [de instalação de fábricas] é a dinâmica do mercado. Ele dita onde quer ficar. O estado de Pernambuco alterou as políticas fiscais. Quem está em Araripina terá uma política de ICMS menor que em outros locais [no estado]”, explica.

 

 

 

 

 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Barreiros, Gameleira e Jaqueira voltam a registrar mortes por coronavírus

Números foram atualizados no boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE).

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Oscar Del Pozo/AFP)

Os municípios de Barreiros, Gameleira e Jaqueira, registraram novas mortes por Covid-19. Os óbitos foram divulgados em no boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) na noite deste sábado (23).

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) registrou, neste sábado (23/01), 1.652 casos da Covid-19. Entre os confirmados hoje, 68 (4%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 1.584 (96%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 250.165 casos confirmados da doença, sendo 30.630 graves e 219.535 leves, que estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Além disso, o boletim registra um total de 213.329 pacientes recuperados da doença. Destes, 18.929 eram pacientes graves, que necessitaram de internamento hospitalar, e 194.400 eram casos leves.

Também foram confirmados laboratorialmente 25 novos óbitos (15 masculinos e 10 femininos), registrados entre os dias 21/11/2020 e 22/01/2021. As novas mortes são de pessoas residentes dos municípios de Barreiros (1), Bezerros (1), Bom Conselho (1), Brejinho (1), Camaragibe (1), Fernando de Noronha (1), Gameleira (1), Garanhuns (2), Igarassu (1), Ipubi (1), Jaboatão dos Guararapes (1), Jaqueira (1), Mirandiba (1), Ouricuri (1), Paulista (1), Recife (8), São José do Belmonte (1). Com isso, o Estado totaliza 10.177 mortes pela doença.

Os pacientes tinham idades entre 32 e 97 anos. As faixas etárias são: 30 a 39 (1), 40 a 49 (2), 50 a 59 (2), 60 a 69 (5), 70 a 79 (7) e 80 ou mais (8). Do total, 22 tinham doenças pré-existentes: doença cardiovascular (12), hipertensão (9), diabetes (8), câncer (2), tabagismo (2), Alzheimer (1), doença respiratória, etilismo (1), Parkinson (1) – um paciente pode ter mais de uma comorbidade. Um paciente não tinha comorbidades e os demais estão em investigação.

Com relação à testagem dos profissionais de saúde com sintomas de gripe, em Pernambuco, até agora, 25.128 casos foram confirmados e 44.958 descartados. As testagens entre os trabalhadores do setor abrangem os profissionais de todas as unidades de saúde, sejam da rede pública (estadual e municipal) ou privada. O Governo de Pernambuco foi o primeiro do país a criar um protocolo para testar e afastar os profissionais da área da saúde com sintomas gripais.

Continuar Lendo

Cotidiano

Pernambuco vai receber 84 mil doses da vacina de Oxford contra Covid-19

Segundo Ministério da Saúde, lote com imunizante importado da Índia chega ao Recife na madrugada do domingo (24). Estado tem 9,6 milhões de habitantes.

Redação PortalPE10

Publicado

2 milhões de doses da vacina de Oxford desembarcam no aeroporto de Guarulhos, em SP, na sexta-feira (22) — (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

Pernambuco vai receber 84 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca, que foram liberadas após análise da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) neste sábado (23), segundo o Ministério da Saúde. O lote do imunizante contra Covid-19 deve chegar ao Recife na madrugada do domingo (24).

O número de doses destinadas a Pernambuco coincide com a estimativa que a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) havia feito com base na população do estado, que tem cerca de 9,6 milhões de habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na segunda-feira (18), o estado recebeu 270 mil doses da CoronaVac.

O avião da companhia Gol deve decolar do Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão, no Rio de Janeiro, na noite deste sábado (23) para trazer os lotes do imunizante vindo da Índia a Pernambuco.

Chegando ao Recife, as doses são levadas para a central de armazenamento de vacinas da Secretaria Estadual de Saúde. Elas só devem ser distribuídas depois de reuniões do Comitê Técnico Estadual para Acompanhamento da Vacinação contra a Covid-19 e da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), convocadas para a tarde da segunda-feira (25).

Nesses encontros, segundo a SES, vão ser definidas as estratégias de distribuição e de uso, para então as doses serem encaminhadas e aplicadas na população.

O secretário estadual de Saúde, André Longo, afirmou em nota que a vacinação segue normalmente em Pernambuco, visto que municípios e unidades estaduais continuam o processo de vacinação normalmente com as doses já distribuídas da vacina CoronaVac.

Até a sexta-feira (22), 34.336 pessoas que fazem parte do público prioritário da primeira fase foram imunizadas contra a Covid-19 em Pernambuco, segundo a SES. Deste total, 28.712 eram trabalhadores da saúde (sendo 5.298 profissionais que atuam nos hospitais do governo estadual); 3.265, indígenas; 2.278, idosos institucionalizados; e 81 pertencem ao grupo de pessoas com deficiência institucionalizadas.

Primeiro lote

O primeiro carregamento com 2 milhões de doses da vacina feita com a farmacêutica AstraZeneca e produzidas no Instituto Serum, na Índia, chegou ao Rio de Janeiro na noite de sexta-feira (22), depois que o governo indiano autorizou as exportações comerciais do imunizante. A carga vinda da Índia passou por um processo de análise de segurança desde a madrugada.

Segundo o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi dada prioridade nesse momento para o estado do Amazonas, por conta da crise acentuada que se vive em Manaus. A cidade vive um colapso no sistema de saúde por causa da pandemia de Covid-19 e receberá 100 mil doses.

A vacina vinda da Índia era para ter chegado cinco dias atrás, no dia 17, mas na época o país não liberou o envio para o Brasil. O avião que sairia do Recife para buscar o imunizante acabou sendo destacado para levar oxigênio a Manaus e retornou para Campinas (SP).

Continuar Lendo

Cotidiano

Jovens que morreram em acidente iriam passar o final de semana em Tamandaré

Veículo em que elas estavam colidiu com uma van na PE-126, em Catende.

Redação PortalPE10

Publicado

(Foto: Reprodução)

As três jovens que morreram no grave acidente entre uma van de transporte alternativo e um carro na PE-126 em Catende na manhã deste sábado (23) iriam passar o final de semana em Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco. As vítimas são de São Domingos, distrito-sede do município de Brejo da Madre de Deus e de Santa Cruz do Capibaribe.

Vitória Queiroz Honorato, Cibelle Teodozio Santos e Isabella Lima não resistiram aos ferimentos e morreram no local do acidente. O motorista do veículo em que elas estavam acabou sendo preso. De acordo com a polícia ele foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil em Palmares onde foi realizado o teste do bafômetro que apontou 1.3 ml de álcool por litro de ar expelido, o permitido é de 0,33 ml. Ele aguarda à audiência de custódia que deve acontecer na manhã de domingo (23), em Palmares.

.:: Leia também: Vídeo mostra vítimas nas ferragens após acidente que matou 3 na PE-126, em Catende

.:: Leia também: Após acidente em Catende motorista do Corolla faz teste do bafômetro e é preso pela polícia

No carro haviam seis pessoas, três homens e três mulheres, os dois homens foram socorridos para a emergência do Hospital Regional de Palmares (HRP).

O motorista da van que faz a linha Catende/Palmares contou que havia saído de Palmares e estava seguindo para Catende, quando em uma curva o motorista do Corolla teria perdido o controle e invadido a pista contraria, causando a colisão.

Os passageiros da van tiveram ferimentos leves e foram encaminhados para o Hospital Regional de Palmares (HRP), o estado de saúde deles ainda não foi divulgado.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.