Nos siga nas redes sociais

Política

Site da Nike permitia camiseta ‘Fora Aécio’, mas não ‘Fora Dilma’

O site da empresa permitia personalização hostis a oposição, mas não a Dilma e ao PT.

Avatar

Publicado

Imediatamente, tentei repetir a simulação que ali é feita. Já não era mais possível. Àquela altura, não tinha como ter a certeza de que se tratasse, realmente, do site da Nike, embora tudo indicasse que sim. Deixei para a hoje a confirmação. Está confirmado, como se lê em texto abaixo, publicado no Globo Online. Leiam. Volto em seguida.

A fornecedora de material esportivo da Seleção Brasileira, Nike, vetou a venda de camisas personalizadas com as palavras PT, Dilma Rousseff, Lula e mensalão. Contudo, até quinta-feira, era permitido personalizar dizeres com os nomes dos candidatos da oposição Aécio Neves e Eduardo Campos.

A restrição foi divulgada pelo usuários Twitter @CarlinhosTroll que tentou escrever “FORA DILMA” e “MENSALÃO” com o número 13 — usado pelo PT — e foi vetado pelo sistema. Contudo, era permitido comprar uma camisa personalizada com a expressão “FORA AÉCIO” e “FORA PSDB” até a quinta-feira. Qualquer frase contendo a sigla “CBF” também era barrada pelo sistema da personalização.

Após a viralização de um vídeo na internet mostrando a contradição, o nome do candidato tucano à Presidência da República e do PSDB também foram vetados. Na manhã desta sexta-feira, o GLOBO tentou personalizar uma camisa, mas o sistema não abriu a opção. Procurada, a fornecedora de material esportivo informou em nota que “não é filiada a nenhum partido político, não só no Brasil como no mundo todo”. Informou ainda que “o sistema do website nike.com, como descrito na própria página, não permite customizações com palavras que possam conter qualquer cunho religioso, político, racista ou mesmo palavrões”, e que “sistema é atualizado periodicamente visando cobrir o maior número de palavras possíveis que se encaixem nesta regra”.

Voltei
Ok. É evidente que a Nike não é filiada a nenhum partido político, como diz a nota. Empresas não se filiam a partidos no Brasil — e, até onde sei, nas democracias mundo afora.

A resposta da empresa é amplamente insuficiente. Existe um programa por trás da ferramenta que permitia a personalização das camisetas. E ele permitia “Fora Aécio” e “Fora PSDB”, mas não “Fora Dilma” e “Fora PT”. Isso quer dizer que alguém programou para que as palavras “Fora” e “PT” não pudessem compor uma unidade, mas não viu nada demais em compatibilizar “Fora” e “PSDB”, por exemplo, o mesmo valendo para Campos.

Diz a empresa que “o sistema do website nike.com, como descrito na própria página, “não permite customizações com palavras que possam conter qualquer cunho religioso, político, racista ou mesmo palavrões”. Isso é que está escrito lá. Mas o fato é que permitia mensagens hostis à oposição, mas não ao governismo. Quando há uma flagrante contradição entre o princípio anunciado e a prática, alguma explicação tem de ser dada, não?

A questão é, aparentemente, irrelevante. Só aparentemente. Faz parte do processo de construção da hegemonia partidária, que busca a uniformização da opinião e a ditadura do partido único, a naturalização da discriminação de quem pensa diferente do partido que se pretende majoritário. No site da Nike, alguém achou que era natural e conforme os princípios vetar as palavras “Fora Dilma”, mas que não havia impedimento nenhum no “Fora Aécio”.

A resposta da Nike me lembra a que recebi, certa feita, de uma empresa de alimentos. Sou alérgico a gergelim — alergia do tipo que mata mesmo! Consumi um pão de forma certa feita e fui parar no hospital. Nos ingredientes, não constava a existência do dito-cujo. Não havia nem mesmo aquele “este produto pode conter resquícios de…”. Nada!  A empresa insistia em me dar a seguinte resposta: “Nossos produtos são feitos seguindo as mais rigorosas normas de etc. etc. etc”. Ah, disso, eu já sabia. Eu queria saber a razão da minha crise. Acabaram admitindo que, no processo industrial, o gergelim acabou se imiscuindo no pão que eu consumira. Vale dizer: era mentira que os produtos fossem feitos “segundo as mais rigorosas regras etc. etc. etc.”. Quando menos, as regras não eram rigorosas o bastante para impedir alguém de consumir involuntariamente algo que poderia matá-lo.

A Nike continua a dever uma explicação. Quando menos, está convidada a demonstrar o que há de errado no raciocínio que vai aqui. 

Por Reinaldo Azevedo, VEJA

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Eleitor que não votou no primeiro turno tem até quinta-feira para justificar voto

Justificativa para não votar deve ser feita pelo aplicativo e-Título. Para quem faltou no segundo turno, prazo vence em 28 de janeiro.

PortalPE10 com informações G1

Publicado

(Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS)

(Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS)

Os eleitores que não votaram no primeiro turno das Eleições 2020 têm até 14 de janeiro para justificar a ausência para a Justiça Eleitoral.

Neste ano, por conta da pandemia, a justificativa deve ser feita pelo aplicativo e-Título ou por meio do Sistema Justifica. No caso de ausência no segundo turno, o prazo expira em 28 de janeiro.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), caso o eleitor não tenha smartphone ou acesso à internet, o processo pode ser feito, excepcionalmente, em qualquer seção eleitoral.

É possível justificar ausência em qualquer local de votação do país no dia da eleição e em postos da Justiça Eleitoral até 60 dias após cada turno. Caso o eleitor esteja fora do país, o cidadão tem até 30 dias contados da data de retorno ao Brasil.

A justificativa é válida somente para o turno ao qual o eleitor não compareceu. Assim, se ele deixou de votar no 1º e no 2º turno, terá que justificar a ausência em ambos, separadamente.

Prazos para justificativa

1º turno: 14 de janeiro.
2º turno: 28 de janeiro.
Download do e-Título
Android
iOS

Multa e consequências

O eleitor que não justificar a ausência dentro do prazo estipulado pelo TSE terá que pagar multa para regularizar a situação. A multa é de R$ 3,50 por turno.

Enquanto estiver em débito com a Justiça Eleitoral, ele não pode, por exemplo, tirar ou renovar passaporte, receber salário ou proventos de função em emprego público, prestar concurso público e renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo – entre outras consequências.

Aquele eleitor que não votar por três eleições seguidas, não justificar nem quitar a multa devida terá sua inscrição cancelada. A regra não vale para eleitores que não são obrigados a votar, como analfabetos, maiores de 16 e menores de 18, e maiores de 70 anos.

Continuar Lendo

Entretenimento

Carlos Villagrán, o “Kiko” de Chaves, se candidata a governador no México

No próximo dia 6 de junho de 2021, o México realiza eleições que definiram uma série de cargos de nível federal e local.

Redação PortalPE10

Publicado

Carlos Villagrán (Foto: Reprodução)

O ator Carlos Villagrán, mais conhecido como o Kiko, do seriado Chaves, anunciou sua tentativa de entrar no mundo da política, tornando-se pré-candidato a governador e também à prefeitura em Querétaro, no México.

No próximo dia 6 de junho de 2021, o México realiza eleições que definiram uma série de cargos de nível federal e local, variando de quantidade de acordo com cada estado. O Partido Querétaro Independiente, ao qual Villagrán se filiou, deve decidir os candidatos finais até o próximo dia 8 de fevereiro.

“Depois de 50 anos fazendo as pessoas rirem, me encontro em outra plataforma, que me traz uma tremenda honra”, afirmou o ator durante coletiva de imprensa, segundo edição local da Forbes.

Em entrevista ao site ADN Informativo no último dia 8 de janeiro Connie Herrera Martínez, presidente do partido, comentou a candidatura de Kiko.

“Alguns tem lhe criticado muito por ser um ator, porém o homem é um extraordinário estudioso, comprometido, e sua profissão não implica que não tenha um conhecimento sólido a respeito das necessidades”, avaliou.

Recentemente, no último mês de abril, Carlos Villagrán chamou atenção por um discurso conspiracionista dado em entrevista à TV mexicana, em que chegou a alegar que “a covid-19 não existe”.

*Com informações Exame.

Continuar Lendo

Brasil

Ex-prefeita de Novo Lino é acusada de calote milionário em aposentados

Redação PortalPE10

Publicado


A Procuradoria-Geral de Justiça acatou a denúncia de um suposto calote milionário aos cofres do Fundo de Aposentados e Pensões da cidade de Novo Lino.

A denúncia foi publicada na manhã desta quarta-feira (06/01) no Diário Oficial do Ministério Público de Alagoas (MP-AL). De acordo com o documento, o dossiê encaminhado a PG está sendo analisado.

Trata-se de uma denúncia contra a ex-prefeita do município, Luciene Maria Ferreira (PSDB-AL), a Lucia de Vasco, que não realizava os repasses previdenciários mensalmente, como é exigido por lei.

Os levantamentos descritos na denúncia mostram que, apenas em 2017, o rombo aos cofres ocasionados pela falta do repasse dos valores chegou a R$ 771.966,92, e os números só cresceram desde então.

Em 2018, por exemplo, o valor chegou a R$ 865.963,09. e em 2019, R$ 278.827,03. Já no ano passado, o salto total do devedor chegou a R$ 977.570,62. O débito chega a mais de R$ 2,8 milhões.

Início da gestão:

A gestão de Lucia de Vasco teve início conturbado devido à oposição apresentar um documento pedindo que sua candidatura fosse inelegível apontando que ela (Lucia) seria analfabeta.

Na época, a prefeita eleita no município foi submetida a um teste de escolaridade, que mesmo com os resultados considerados “péssimos”, conseguiu comprovar que sabia ler e escrever.

Os resultados do exame fiz com que o Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas (TRE-AL) optasse por manter seu mandato como prefeita da cidade de Novo Lino.

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2020 PortalPE10. Todos os direitos reservados.