Nos siga nas redes sociais

Política

Twitter: Qual o tamanho dos “exércitos” de Aécio, Dilma e Campos?

Levantamento feito por especialistas da UFES mapeou o número de apoiadores e opositores de cada um dos presidenciáveis.

Avatar

Publicado

Dilma Rousseff

Ainda que o clima seja de pré-campanha entre os partidos, nas redes sociais o exército de militantes de PT, PSDB, PSB já está formado e em clima de guerra para defender e atacar seus candidatos e adversários. Se a internet teve um papel secundário em 2010, neste ano promete impactar as campanhas presidenciais. A quatro meses da eleição, o Facebook já foi protagonista de um atrito envolvendo PT e PSDB em relação ao perfil da personagem Dilma Bolada. Neste contexto, qual deve ser o peso dos partidos no Twitter?

Para tentar entender o tamanho da influência do Twitter, o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) fez um levantamento exclusivo, a pedido de CartaCapital, que mapeou o número de apoiadores e opositores da presidente Dilma Rousseff (PT), do senador Aécio Neves (PSDB) e do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), os três principais candidatos ao Planalto, assim como a quantidade de postagens que cada um deles publica a respeito dos pré-candidatos na internet durante um mês.

Entre os dias 17 de abril e 21 de maio, o Labic registrou todos os tweets sobre os três candidatos e, com base no conteúdo compartilhado e nas opiniões publicadas, reuniu os apoiadores e opositores de cada um deles. Por ser a presidenta e estar ligada a questões como Copa do Mundo e manifestações, Dilma foi a mais citada dos três. No total, foram 96.989 tweets sobre a petista, aproximadamente 54% das mensagens que citavam algum dos candidatos analisados. Atrás de Dilma ficou Aécio Neves, mencionado em 47.082 (26,73%) publicações, e Eduardo Campos, com 34.419 (19,28%) citações.

Isso não significa que a presidenta está em vantagem. Apesar do PT ser famoso por ter um “exército” de militantes ativos nas redes sociais, a presidenta tem um número de opositores no Twitter muito maior de que seus adversários. É a única dos três presidenciáveis que tem um número de oponentes superior ao de apoiadores no período analisado. De acordo com o estudo do Labic, 4384 perfis fizeram oposição ao governo Dilma no Twitter, enquanto que 2593 usuários defendem sistematicamente a pré-candidata do PT.

Uma das razões para este cenário pode ser o impacto de questões como a realização da Copa do Mundo e a CPI do Petrobras, que foi instalada na mesma época da elaboração do estudo. “O mês de abril foi o mês que se iniciou a CPI da Petrobras e a queda de popularidade de Dilma nas pesquisas de intenção de voto. Isso atraiu muita gente anti-Dilma. Isso faz a rede vermelha (militantes do PT) sentir o baque e se encolher um pouco”, explica Fábio Malini, coordenador do estudo da UFES.

Por outro lado, a rede de apoiadores de Dilma é bastante densa no Twitter. Isso significa que os usuários que apoiam o governo da petista costumam interagir muito uns com os outros. Consequentemente, as informações publicadas ou compartilhadas por eles chegam a um número maior de militantes e ajudam a informar o exército e a construir argumentos para rebater a oposição. “As pessoas que estão falando do PT têm laços muito fortes, se conversam bastante”, diz Malini.

Rede raivosa e a polarização

Dos três candidatos, o que tem maior número de apoiadores é Aécio Neves. Durante a análise, foram identificados aproximadamente 3945 perfis a favor do tucano, contra 2.859 usuários que fazem oposição a ele no Twitter.  A superioridade numérica sobre os rivais não se reflete em uma postura, necessariamente, favorável à campanha do partido. “É uma rede muito mais anti-PT do que propositiva. Eles usam muito mais hashtags para atacar o partido de Dilma: Fora Dilma, Fora PT. A rede raivosa é a rede do Aécio, não é do PT não”, argumenta Malini.

Além disso, o estudo da rede do Aécio encontrou fortes indícios da participação de robôs na divulgação de informações positivas para o candidato. Os robôs são perfis falsos que estão programados para ajudar a disseminar informações específicas sobre algo ou alguém durante algum tempo. No período analisado pelo Labic, um perfil chamado @jpmartins45 foi o que mais se destacou por citar o senador do PSDB em um grande número de mensagens. Como é característico dos robôs, o perfil foi apagado pouco tempo depois de espalhar e compartilhar milhares de mensagens. No entanto, o foco do robô parecia ser disseminar na verdade a escolha do pré-candidato ao governo de Minas Gerais, Pimenta da Veiga.

Assim como nas pesquisas de intenção de voto, Eduardo Campos vem atrás de Dilma Rousseff e Aécio Neves em números de tweets. Ele foi citado em 34.419 tweets (19,28% do total) e possui uma rede de apoiadores de pouco mais de 2.900 perfis, contra 2.172 usuários que costumam fazer oposição ao pré-candidato do PSB. O número de críticas contra ele no Twitter não é baixo por acaso. Na opinião de Malini, fica claro que Campos é pouco citado porque PT e PSDB preferem a polarização. “Está muito claro que possivelmente o PT avalia que é muito melhor fazer disputa com Aécio, do que com Eduardo”, afirma. “Eduardo não aparece tanto porque está correndo por fora. Ninguém quer polarizar com ele”, complementa.

Nuvem de tags

O levantamento também analisou quais hashtags, as palavras-chave do Twitter, os militantes mais publicaram sobre cada um dos candidatos, tanto por parte dos apoiadores como dos opositores. As hashtags funcionam basicamente como um índice de termos relevantes que resumem algum assunto. Por meio desse sistema, é possível saber quantas pessoas estão falando sobre aquele mesmo tema. Com essas informações, o Labic montou uma “nuvem de tags”, um gráfico que aglomera os principais termos usados pelos usuários para se referir aos candidatos. Na nuvem, quanto maior a palavra, maior o número de menções a ela.

A “nuvem de tags” de Dilma reflete bem as dificuldades pelas quais o PT passou no Twitter em razão das polêmicas envolvendo o governo. Uma das hashtags mais citadas nos tweets referentes a Dilma foi “Crise Polícia Federal”. Entre todos os candidatos, a nuvem da petista é a que mais tem temas desfavoráveis. Há também, por exemplo, os termos “Fora PT”, “Não Vai ter Copa” e “Corruption” (corrupção). Não se sabe, no entanto, qual o tamanho da influência dos robôs utilizados por concorrentes para alimentar isso.

Por ser oposição, a nuvem de Aécio Neves traz muito mais críticas e ataques ao PT do que propostas ou algo que deve ser de um eventual governo Aécio. O termo de maior destaque é “Marco Civil Urgente”, já que o senador do PSDB fez oposição ao projeto do governo federal que regulamenta o uso da internet no Brasil. As outras tags são: “PT Mentindo na TV”, “Fora PT” e “Fora Dilma”. As poucas palavras-chave negativas sobre o tucano na nuvem, disseminadas por opositores, são “Aécio Contra MG” e “Arrocho Neves”, em referência à política econômica de arrocho salarial do tucano.

Já Eduardo Campos foi um pouco mais atingido por militantes petistas que ainda o criticam por ter saído da base aliada para disputar as eleições contra Dilma. Um dos termos de maior relevância na “nuvem de tags” é “Dudutraíra”. Há referências também a ex-senadora Marina Silva, que compõe a chapa com Campos. “Marina Petista” é outra palavra-chave que trata do passado político dela. Por outro lado, a influência de Eduardo Campos no seu estado natal é algo que ainda reflete também nas redes sociais. O termo que teve mais destaque em tweets que citam o político é “Pernambuco”.

 

Publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mata Sul

Justiça eleitoral nega recurso e mantém cassação de prefeito e vice de Joaquim Nabuco

Redação PortalPE10

Publicado

 

Neto Barreto (PTB) e Eraldo Veloso (MDB), prefeito e vice-prefeito de Joaquim Nabuco, na Mata Sul de Pernambuco.

Com a publicação do acórdão que nega provimento ao recurso eleitoral interposto pela coligação União por Joaquim Nabuco, encabeçada pelo prefeito eleito Neto Barreto (PTB), o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) determina que o presidente da Câmara de Vereadores de Joaquim Nabuco, Charles (SD), seja comunicado da sentença e seja empossado como prefeito interino.

Entre os pontos destacados pelo relator do caso, Rodrigo Cahu Beltrão, e votado por unanimidade pelos membros do TRE-PE, está: “Constatação de uso ostensivo e direto de dinheiro como meio de conquista de votos, o que configurou, no caso, não somente a ilicitude do art. 41-A da Lei n.º 9504/97 como também abuso de poder econômico, conceito mais amplo do que a captação sufrágio.”

Isso fez com que a Corte concedesse “parcial provimento ao recurso eleitoral apenas para afastar a condenação do tesoureiro do partido, mantendo nos demais termos a sentença recorrida”. Com isso, o prefeito Neto Barreto, o vice Eraldo Veloso (MDB) e o candidato a vereador José Luiz de Souza, conhecido como Irmão Luiz (SD), foram cassados.

Por unanimidade, TRE mantém cassação de prefeito e vice que jogou dinheiro para eleitores, em Joaquim Nabuco

Continuar Lendo

Brasil

Lula lidera corrida eleitoral de 2022 e marca 55% contra 32% de Bolsonaro no 2º turno, mostra Datafolha

PortalPE10 com informações UOL

Publicado

Pouco mais de dois meses após ter seus direitos políticos restabelecidos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera a corrida para a Presidência com margem confortável no primeiro turno e venceria o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na segunda etapa, revela pesquisa Datafolha.

O petista alcança 41% das intenções de voto no primeiro turno, contra 23% de Bolsonaro.

Em um segundo pelotão, embolados, aparecem o ex-ministro da Justiça Sergio Moro (sem partido), com 7%, o ex-ministro da Integração Ciro Gomes (PDT), com 6%, o apresentador Luciano Huck (sem partido), com 4%, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que obtém 3%, e, empatados com 2%, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o empresário João Amoêdo (Novo).

Somados, os adversários de Lula chegam a 47%, apenas seis pontos percentuais a mais do que o petista. Outros 9% disseram que pretendem votar em branco, nulo, ou em nenhum candidato, e 4% se disseram indecisos.

O levantamento foi realizado com 2.071 pessoas, de forma presencial, em 146 municípios, nos dias 11 e 12 de maio. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Continuar Lendo

Brasil

Eleições 2022: Lula está à frente de Bolsonaro no 2º turno, aponta XP/Ipespe

PortalPE10 com informações UOL

Publicado

De acordo com a pesquisa divulgada pela XP/Ipespe nesta terça (11), o ex-presidente Lula (PT) seria o único, entre todos os eventuais candidatos incluídos, a vencer o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) em uma disputa eleitoral. Na simulação da primeira metade do pleito, os dois aparecem empatados na liderança, cada um com 29% das intenções de voto. Na sequência, estão os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Sérgio Moro, com, respectivamente, 9% e 8% de intenções de voto.

O cenário analisado inclui ainda os nomes do apresentador Luciano Huck (5%), bem como do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), que aparece com 3%, empatado com o governador de São Paulo, João Dória (PSDB). Guilherme Boulos (Psol) surge como preferência de 2% dos entrevistados. Outros 14% ainda não sabem em quem vão votar ou não responderam.

O levantamento foi realizado a partir de 1.000 entrevistas realizadas em todas as regiões do país, entre os dias 4 e 7 de maio. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Segundo turno

Em um eventual segundo turno, Lula derrotaria Bolsonaro por 42% a 40%. Todos demais candidatos seriam vencidos pelo atual presidente. Confira:

Lula (42%) x Bolsonaro (40%)

Thank you for watching

Ciro Gomes (38%) x Bolsonaro (39%)

Sérgio Moro (30%) x Bolsonaro (32%)

Luciano Huck (34%) x Bolsonaro (38%)

Guilherme Boulos (31%) x Bolsonaro (40%)

João Doria (31%) x Bolsonaro (40%)

Continuar Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2013 - 2021 PortalPE10. Todos os direitos reservados.